Primeiro-ministro francês apresenta demissão

Emmanuel Macron aceitou a renúncia de Édouard Philippe, que irá assegurar “o tratamento dos assuntos correntes até a nomeação do novo governo”, de acordo com a Presidência.

O primeiro-ministro francês, Édouard Philippe, apresentou esta sexta-feira a demissão a Emmanuel Macron. O líder do governo de França vai manter-se em funções até que seja nomeado o sucessor, avança a agência noticiosa ‘Reuters’.

“Edouard Philippe apresentou hoje a renúncia do governo ao Presidente da República, que a aceitou. Ele garante que, em conjunto com os membros do governo, vai assegurar  o tratamento dos assuntos correntes até a nomeação do novo governo”, explicou a Presidência da República francesa, em comunicado.

A decisão surge um dia depois que o presidente francês ter anunciado uma remodelação no governo, para as eleições presidenciais de 2022. Em entrevista à imprensa local, divulgada ontem, Emmanuel Macron disse que iria ter uma “nova equipa” de governo nos últimos dois anos do mandato, sem especificar se iria manter Édouard Philippe à frente do executivo.

No domingo, Édouard Philippe venceu a comuna de Le Havre (Seine-Maritime), da qual esteve à frente em 2020 e 2017, nas eleições municipais.

Recomendadas

Líbia anuncia levantamento das restrições à produção de petróleo

Depois de reduzir a produção de crude em 90% desde janeiro, fruto de um conflito entre os dois governos que reclamam autoridade no país, as duas fações anunciaram um acordo para retomar os níveis normais de produção, que contrasta com a posição da maioria dos exportadores de petróleo.

Moderna quer produzir 20 milhões de doses da vacina contra o Covid-19 até ao final de 2020

Atualmente, não há vacinas contra o Covid-19 aprovadas pelos reguladores dos EUA, embora algumas já se encontrem na fase final de testes para provar que são seguras e eficazes.

Israel: acordos diplomáticos não favorecem Netanyahu

Apesar do aparato, o acordo entre Israel, Emiratos Árabes Unidos e Bahrein não está a alavancar o primeiro-ministro, que continua a arriscar eleições antecipadas. O ‘colega’ de coligação, Benjamin Guntz, está ainda pior.
Comentários