Prio investe no fornecimento de energia elétrica 100% renovável

A empresa afirma que a decisão surge na sequência dos investimentos já realizados e a realizar até 2025. E vai expandir a sua rede de postos de abastecimento dos atuais 190 para os 300.

A Prio vai passar a comercializar energia elétrica com origem apenas em fontes renováveis, sem qualquer custo acrescido. Com esta medida, a Prio “dá mais um passo na sua estratégia de sustentabilidade, oferecendo energia mais ecológica, com uma menor pegada ambiental e ao mesmo preço”, revela a empresa em comunicado.

Esta novo passo rumo “a uma Prio mais sustentável surge enquadrado no investimento já anunciado em mobilidade elétrica que a empresa está a fazer até 2025. Esta energia 100% renovável, estará disponível a partir de novembro para os utilizadores do cartão Prio Electric, lançado em 2017, e que permite o acesso aos mais de mil postos da rede de carregamento elétrico nacional da MOBI.E”.

Adicionalmente, também já a partir de novembro, sempre que um utilizador daquele cartão carregar o carro em qualquer ponto de carregamento da MOBI.E, esteja ou não dentro de um posto da marca, “irá estar a fazê-lo com energia com origem em fontes 100% renováveis”.

Através deste investimento em mobilidade elétrica, precisa o comunicado, a Prio irá também, nos próximos anos, reforçar a sua rede de postos de carregamentos elétricos, passando dos atuais 190 pontos para os 300 até 2025, bem como investir na componente tecnológica dos mesmos.

Para comemorar este investimento, a Prio estará presente no Salão Automóvel Híbrido e Elétrico (SAHE) que terá lugar nos dias 23, 24 e 25 de outubro na Alfândega do Porto, onde vai lançar a campanha ‘Há, mas são verdes’.

Segundo Carlos Ferraz, responsável pela área de Mobilidade Elétrica, citado pelo comunicado, “a PRIO posiciona-se como uma empresa de energias do futuro para a mobilidade, oferecendo biocombustíveis, gás e mobilidade elétrica da mais alta qualidade a baixo preço. Este passo de oferecer energia elétrica vinda de fontes 100% renováveis, mantendo o mesmo preço, é algo que muito nos orgulha. Queremos continuar a investir na Mobilidade Elétrica como algo central para nós e que sabemos que é valorizado pelos nossos clientes de norte a sul do País”.

A Prio afirma ser a maior produtora de biocombustíveis em Portugal e a terceira maior produtora europeia de biodiesel a partir de matérias-primas residuais. Para assegurar o escoamento desses biocombustíveis, opera e abastece uma rede de mais de 250 estações de serviço em Portugal.

Para assegurar a sua competitividade nos combustíveis líquidos e no GPL, a Prio opera um terminal de armazenagem e logística primária independente em Aveiro, através da qual se pode abastecer no mercado internacional. Para assegurar o abastecimento da sua fábrica de biodiesel no mercado nacional, a empresa coordena a recolha de óleos alimentares usados e de outras matérias-primas residuais em mais de 600 pontos de recolha em Portugal.

A Prio tem uma posição de destaque na mobilidade elétrica, pelos seus mais de 10 anos de experiência e mais de 150 pontos de carregamento. No gás de garrafa, tem hoje uma rede de mais de dois mil pontos de venda. Está ainda a iniciar a sua expansão para Espanha, onde opera já dois estações de serviço.

Ler mais
Recomendadas

Que caminho para o hidrogénio? Shell e Schneider debateram futuro da energia na Web Summit

Ambas as empresas acreditam em apresentar aos seus clientes o maior número de opções quanto à energia que podem utilizar. No entanto, para a Schneider, o hidrogénio não tem valor económico e o futuro “será mais elétrico e a eletricidade será produzida e consumida de forma descarbonizada e descentralizada”.

CIO da Johnson & Johnson: “Ecossistema tecnológico ajudou a repensar a ciência”

As novas tecnologias aceleraram a maneira como se descobrem e produzem novos medicamentos. Combinar todos os dados disponiveis, aliá-los à ciência e colocá-los em prático são os desafios apontados ao setor farmcêutico durante os próximos anos.

AHRESP afirma que Governo “comprometeu-se a anunciar medidas” em função das propostas efetuadas

Do lado do Governo, a associação sublinha que o ministro da Economia “comprometeu-se a anunciar publicamente muito em breve, com a presença dos parceiros sociais, as medidas que o governo vier a decidir em função das propostas apresentadas pelas associações presentes nesta reunião”.
Comentários