“Prioridade é criar novo rumo”. Movimento CDSXXI repudia corrida a sucessão no CDS-PP

A corrente de opinião liderada por Pedro Borges de Lemos admite que os resultados eleitorais do partido foram “fracos”, mas considera que a prioridade “não é eleger um novo líder”.

assunção_cristas_cds_legislativas_1
António Cotrim/Lusa

A corrente interna Movimento CDSXXI considera que não é “consentâneo com os interesses imediatos” do CDS-PP a corrida à sucessão de Assunção Cristas na liderança do CDS-PP. A corrente de opinião liderada por Pedro Borges de Lemos admite que os resultados eleitorais do partido foram “fracos”, mas considera que a prioridade “não é eleger um novo líder”.

“Depois dos fracos resultados eleitorais e da demissão da líder, é tempo de profunda reflexão e de iniciar a construção de uma solução, por todos os que nela quiserem participar, que passe por uma redefinição programática séria e coerente do partido, a ser ratificada no próximo congresso”, indica Pedro Borges de Lemos, numa nota enviada ao Jornal Económico.

O Movimento CDSXXI considera que “a prioridade não é eleger um novo líder que, a seu tempo o congresso encarregar-se-á de fazer democraticamente”, mas “criar um novo rumo que vá ao encontro das aspirações das bases”.

“Não nos parece consentâneo com os interesses imediatos do CDS, posicionarem-se já nomes para a sucessão da atual líder”, adverte a corrente interna não formalizada do CDS-PP.

Nas eleições legislativas deste domingo, os democratas-cristãos tiveram 4,2% dos votos, o pior resultado de sempre do CDS-PP em legislativas. O grupo parlamentar, até agora composto por 18 deputados, vai passar a contar com apenas cinco deputados (João Almeida, Assunção Cristas, Ana Rita Bessa, Cecília Meirelles e Telmo Correia). Depois de ter anunciado a demissão da liderança do CDS-PP, a líder centrista não revelou, no entanto, se se vai manter como deputada na Assembleia da República.

Assunção Cristas anunciou a convocação antecipada do Congresso Nacional do CDS-PP, a fim de eleger um novo líder, o que deve acontecer dentro de poucas semanas. Há já vários nomes que se posicionam para suceder a Assunção Cristas. Entre eles está Abel Matos Santos, líder da corrente interna Tendência Esperança em Movimento (TEM) – tal como o Jornal Económico já tinha noticiado –, Filipe Lobo d’Ávila e João Almeida.

Ler mais
Relacionadas
assunção_cristas_cds_legislativas_1

Assunção Cristas lidera delegação do CDS a Belém

A presidente demissionária do CDS, Assunção Cristas, vai liderar a delegação do partido que será recebida na terça-feira pelo chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, sobre os resultados das legislativas, disse à Lusa fonte partidária.
Recomendadas

Costa reúne esta segunda-feira com Presidente da República para entregar nomes de secretários de Estado

O gabinete do primeiro-ministro enviou este domingo, 20 de outubro, uma nota onde refere que “o primeiro-ministro solicitou hoje uma audiência ao Presidente da República para lhe apresentar os nomes dos secretários de Estado”.

Sondagem Aximage: Maioria julga que António Costa sabia o que se passou em Tancos

Parte considerável dos eleitores também têm a impressão de que Marcelo Rebelo de Sousa também estava ao corrente daquilo que se estava a passar. PSD terá sido o partido mais beneficiado com o “caso de Tancos” e o PS o mais prejudicado nas urnas.
assunção_cristas_rui_rio_debate_legislativas_1

Direita unida numa só lista teria mais um deputado do que o PS

Se os eleitores do PSD, CDS-PP, Iniciativa Liberal, Chega e Aliança tivessem votado na mesma lista esta teria colocado 97 deputados na Assembleia da República, ganhando dez ao PS. Mas bastaria o partido de André Ventura ficar de fora para os socialistas continuarem a ter mais parlamentares do que os existentes à sua direita.
Comentários