Prisa confirma fim da operação de venda da Media Capital à Cofina

Grupo espanhol garante que durante todo a operação sobre a Media Capital, sobretudo durante o aumento de capital em 85 milhões da Cofina, a empresa liderada por Paulo Fernandes nunca comunicou a “sua suposta incapacidade de concluir o aumento de capital ou a vontade de desistir de sua execução”.

O grupo de media espanhol Prisa confirma a rescisão do contrato de venda e compra com a Cofina, que tinha como objetivo vender a Media Capital, dona da TVI, à empresa dona do Correio da Manhã e CMTV, de acordo com o comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) esta sexta-feira, 20 de março. A Prisa reiterou que entende que a Cofina violou “voluntariamente” a sua obrigação contratual. Também a Cofina já confirmou o fim da operação, justificando-se com “degradação da situação financeira e perspetivas” da dona da TVI.

“O Contrato de Venda e Compra foi rescindido, tendo a Cofina voluntariamente violado a sua obrigação contratual, apesar de ter declarado em várias ocasiões, ambos no contrato de compra e venda e em vários documentos comunicados ao Comissão Nacional de Valores Mobiliários (entre outros, a avaliação preliminar anúncio da oferta pública de aquisição da Media Capital SGPS ou no prospecto de aumento de capital da Cofina), que possuía os compromissos necessários para financiar o montante suficiente para concluir o contrato de compra e venda, tanto de crédito instituições e acionistas relevantes para, neste último caso, cobrir o valor correspondente ao aumento de capital”, lê-se no comunicado.

A Prisa insiste também que durante todo o processo de venda da Media Capital, sobretudo durante a operação de aumento de capital em 85 milhões da Cofina, a empresa liderada por Paulo Fernandes nunca comunicou “sobre sua suposta incapacidade concluir o aumento de capital ou a vontade de desistir de sua execução”.

O grupo espanhol argumenta, ainda, que desde que a dona da CMTV anunciou o insucesso do aumento de capital e, por conseguinte, que estaria disponível para voltar à mesa de negociações, mediante alterações no contrato de compra e venda da Media Capital, a Cofina “não apresentou nenhuma proposta de alteração” do referido contrato.

A Prisa garante ter agido sempre “de boa fé durante todo o processo e nega as alegações da Cofina sobre alegadas violações [contratuais] da Prisa”. O grupo espanhol acrescenta que nunca foi notificado pela Cofina sobre qualquer reclamação de incumprimento do contrato de compra e venda.

Atualmente, a Prisa tem os escritórios de advogados Vieira de Almeida, Pérez Llorca e Gomez de Acebo a trabalhar para responsabilizar judicialmente a Cofina pelo insucesso da operação de venda da dona da TVI, tal como noticiou o JE no dia 17 de março.

Na segunda-feira, 16 de março, a Prisa tinha reiterado que a Cofina “violou o acordo de compra e venda” para aquisição da Media Capital e que já tinha iniciado “todas as medidas” contra a empresa na defesa dos seus interesses. A Prisa reclama o pagamento de dez milhões de euros, valor de caução da operação, à Cofina.

Na sexta-feira, 13 de março a proprietária do Correio da Manhã considerou que não deve dez milhões de euros à Prisa por ter desistido de comprar a Media Capital.

Em 11 de março, a Cofina anunciou a desistência da compra da Media Capital após falhar a operação de aumento de capital aprovada pelos seus acionistas em 29 de janeiro.

Ainda assim, a Cofina admitiu voltar à mesa de negociações, tendo enviado à Prisa, “uma notificação de resolução do contrato (na base de fundamentos que oportunamente serão objeto de divulgação pública), condicionada a que, no prazo de sete dias, a Cofina e a Prisa não venham a acordar numa modificação do contrato de forma a restabelecer um equilíbrio das prestações recíprocas conforme com os princípios da boa-fé”, de acordo com o comunicado de 13 de março da dona do Correio da Manhã.

A operação de aumento de capital da Cofina tinha como objetivo garantir o financiamento necessário para a compra da dona da TVI.No entanto, perante a “deterioração das condições de mercado” e “não tendo sido verificada a condição de subscrição integral do aumento de capital, a oferta ficou sem efeito”, justificou na semana passada a empresa liderada por Paulo Fernandes.

Ou seja, “não se encontram reunidas as condições de que depende a conclusão do negócio de compra e venda das ações da Vertix (e indiretamente da Media Capital)”, justificou a Cofina.

A oferta abrangia a subscrição reservada a acionistas no exercício do direito de preferência e demais investidores que adquiram direitos de subscrição, através da emissão de 188.888.889 novas ações ordinárias, escriturais e nominativas, sem valor nominal.

O preço de subscrição tinha sido fixado em 0,45 euros por cada nova ação, que correspondia ao respetivo valor de emissão.

Os acionistas da Cofina tinham aprovado no final de janeiro o aumento de capital até 85 milhões de euros para financiar a compra da TVI. Na mesma altura, os acionistas da Prisa aprovaram a venda da Vertix, que detém a maioria da Media Capital, à Cofina, em assembleia-geral extraordinária, em Madrid.

Ler mais
Relacionadas

Cofina diz que resolução do contrato se deve à “inesperada e muito significativa degradação da situação financeira e perspetivas da Vertix e Media Capital”

A Cofina acusa a Prisa de ter incorrido “em violações contratuais graves e, por último, manifestou expressamente a intenção de não cumprir o contrato, o que afetou irremediavelmente a relação de confiança entre as partes”.

Prisa designa Vieira de Almeida, Pérez Llorca e Gomez de Acebo para atacar judicialmente a Cofina

A Prisa prepara-se para intentar ações judiciais, para avançar com outras iniciativas administrativas, junto de autoridades regulatórias e de supervisão, e está mesmo a ser equacionada uma ação de natureza penal, contra a Cofina por causa do negócio da Media Capital, sabe o Jornal Económico.

PremiumMário Ferreira estava pronto a cobrir valor que faltava para comprar TVI

Patrão da Douro Azul estava disponível para investir mais no aumento de capital da Cofina para comprar TVI. Ao Jornal Económico, diz-se “surpreendido” pelo cancelamento do negócio. Media Capital procura “novos caminhos”.
Recomendadas

Empresa portuguesa desenvolve equipamento para criar quartos de pressão negativa

Tecnologia permite transformar quartos convencionais em quartos de pressão negativa para tratar doentes infectocontagiosos, bem como fazer a purificação do ar eliminando assim os vírus e bactérias e prevenindo a contaminação.

Santander Totta vai passar a pagar aos fornecedores a pronto pagamento

“Esta medida reforça o conjunto de outras que o Santander tem vindo a implementar para apoiar a economia e minimizar os impactos negativos provocados pela Covid-19, com especial foco na tesouraria e liquidez dos seus clientes”, referiu o Santander Totta.

Efacec vai para lay-off durante 30 dias a partir de 6 de abril

A empresa diz que o lay-off será aplicado “transversalmente a todos os níveis da organização”, tanto na modalidade de suspensão de contrato, como da redução temporária do horário de trabalho.
Comentários