PremiumPrisa exige 36,8 milhões de euros pela Media Capital, 63% acima da OPA da Cofina

‘Teaser’ entregue em julho a potenciais investidores admite pacto com Mário Ferreira e fixa mínimo de 67,6 cêntimos por ação, acima dos 41,5 cêntimos da OPA da Cofina.

O grupo espanhol Prisa está disposto a vender a sua participação de 64% da Media Capital por um valor mínimo de 36,8 milhões de euros, ou 67,6 cêntimos por ação, de acordo com uma apresentação que foi enviada no mês passado a potenciais investidores, a que o Jornal Económico teve acesso. Este valor fica 63% acima dos 41,5 cêntimos por ação que a Cofina propôs esta semana, na segunda versão da sua Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a empresa dona da TVI, da produtora Plural e da Rádio Comercial.

O documento foi elaborado em julho pelo assessor financeiro da Prisa, o Banco Carregosa. E reconhece, logo nas considerações iniciais, que existe um acordo com a Pluris, do empresário Mário Ferreira, que torna necessário o consentimento deste último para que a venda da participação da Prisa possa ter lugar.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

Respostas Rápidas: Cofina contra-ataca com OPA à Media Capital

A CMVM autorizou a Cofina a alterar as condições da Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a Media Capital, anunciada em setembro de 2019 e em stand by desde março. O grupo liderado por Paulo Fernandes oferece agora um valor mais baixo e a Oferta incide sobre a totalidade do capital, incluindo os 94% nas mãos da Prisa e de Mário Ferreira. Patrão da Douro Azul pode ser obrigado pela CMVM a lançar OPA concorrente.

Negócio Cofina/Media Capital. Um ano de avanços e recuos

O interesse da Cofina na Media Capital tem mais de uma década, mas só no último ano a empresa de Paulo Fernandes esteve muito perto de adquirir a dona da TVI. Apesar da dona da CMTV e “Correio da Manhã” ter falhado a compra da dona da TVI, em março, o que espoletou uma troca de argumentos e um processo arbitral com a Prisa, eis que agora a Cofina foi autorizada pela CMVM a voltar à carga pela Media Capital.
Recomendadas

Marques Mendes diz que CGD liderará sindicato bancário para financiar o Novo Banco

Luís Marques Mendes, revelou este domingo que a injeção do Fundo de Resolução no Novo Banco vai ser possível através do empréstimo de um sindicato bancário, que será liderado pela CGD. O comentador revelou que não houve qualquer conversa entre o BCP e o Governo para uma fusão com o Montepio. O JE confirmou que Miguel Maya não falou com João Leão sobre uma integração do Banco Montepio.

Premium“Construtoras nacionais apenas ficam com 20% das obras públicas”, diz bastonário da Ordem dos Engenheiros

O desinvestimento em pessoas e equipamentos ao longo dos últimos anos foi tão grande que apenas 20% das obras públicas lançadas ficam em empresas portuguesas, afirma Carlos Mineiro Aires.

Miguel Albuquerque diz que “a Madeira vai ultrapassar efeitos devastadores no turismo”

O presidente do Governo da Madeira mostrou-se este domingo convicto de que a região vai conseguir superar “mais este grande desafio” dos “efeitos devastadores” no setor do turismo provocado pela pandemia da covid-19.
Comentários