Privatização da Cabo Verde Airlines estará concluída até 31 de dezembro

O documento do Ministério das Finanças cabo-verdiano refere que o processo de venda de 51% das ações da TACV ao parceiro estratégico, Loftleidir Cabo Verde, foi assinado a 1 de março deste ano e que a venda dos restantes 49% dos títulos decorre com “toda a normalidade”.

O governo cabo-verdiano esclareceu esta semana, em comunicado, que o processo de venda das ações da Cabo Verde Airlines (TACV) decorre “dentro da total normalidade” e que “será completamente concluído a 31 de dezembro” de 2019.

O documento do Ministério das Finanças refere que o processo de venda de 51% das ações da TACV ao parceiro estratégico, Loftleidir Cabo Verde, foi assinado a 1 de março deste ano e que a venda dos restantes 49% dos títulos decorre com “toda a normalidade” e será concluído ainda este ano”.

A agência noticiosa Lusa noticiou, na semana passada, que o Governo cabo-verdiano espera encaixar quase um milhão de euros com a venda de 7,65% das ações da antiga companhia aérea estatal junto da diáspora, processo que arrancou no dia 30 de setembro.

De acordo com o anúncio feito pelo vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças cabo-verdiano, Olavo Correia, a venda das 74.650 ações da antiga TACV, cada uma a um preço unitário de 1.457 escudos (cerca de 13 euros), vai decorrer até 16 de dezembro de 2019. No total, com este pacote de ações, equivalente a 7,65% da estrutura acionista, o governo de Cabo Verde espera arrecadar até 108.765.050 escudos (na ordem dos 986 mil euros).

“Com isto, o Governo está a cumprir com mais esta importante etapa no processo de privatização da TACV”, afirmou Olavo Correia, recordando que nas fases anteriores da privatização da companhia foi feita a alienação da maioria do capital a um parceiro estratégico e posteriormente realizada a venda de ações aos trabalhadores. “Certamente a venda à diáspora também o será. A nossa diáspora sempre teve um papel importante no trajeto de Cabo Verde. Merece esta oportunidade”, afirmou o governante.

O processo faz parte da reestruturação da antiga TACV, em que a primeira iniciativa foi a venda de 51% das ações da empresa aos islandeses da Icelandair, passando a chamar-se Cabo Verde Airlines.

O Estado de Cabo Verde passou a deter 49% das ações, e optou por vender 10% aos trabalhadores e aos emigrantes cabo-verdianos, num total de 100 mil ações, e os restantes 39% a investidores institucionais (390 mil ações).

Um total de 91 trabalhadores da antiga transportadora aérea pública cabo-verdiana tornou-se acionistas da empresa, numa operação que aconteceu pela primeira vez, enquadrada no processo de reestruturação da agora privada Cabo Verde Airlines.

Segundo o anúncio feito a 20 de setembro, em conferência de imprensa realizada na cidade da Praia, pelo secretário de Estado das Finanças cabo-verdiano, Gilberto Barros, a venda das ações aos trabalhadores da CVA foi iniciada a 01 de Julho e concluída a 01 de Setembro.

Segundo o governante, a venda direta aos 91 trabalhadores foi feita através da Bolsa de Valores de Cabo Verde, num total de 25.350 ações – equivalente a 2,65% do total -, a um preço de 1.457 escudos cada (13 euros), sendo que os trabalhadores tiveram direito a um desconto de 15% em cada ação.

O encaixe financeiro para o Estado foi de 31,4 milhões de escudos (284,8 mil euros), contabilizou Gilberto Barros, indicando que o número de trabalhadores que adquiriram ações corresponde a menos de 30% do total dos cerca de 320 funcionários.

Até ao final do ano garantiu que serão vendidos os 39% de ações do capital social da empresa aos investidores institucionais, num processo em que neste momento a procura é muito superior a oferta, pelo que vai ser realizado por meio de leilão competitivo.

Ler mais
Relacionadas

Governo cabo-verdiano espera quase um milhão com a venda de 7,65% da ex-TACV aos emigrantes

No total, com este pacote de ações, equivalente a 7,65% da estrutura acionista, o governo de Cabo Verde espera arrecadar até 108.765.050 escudos (986 mil euros).

Cabo Verde Airlines voa para Nigéria a partir de dezembro

A companhia área cabo-verdiana, Cabo Verde Airlines, vai começar a operar para a cidade nigeriana de Lagos.
Recomendadas

CAL elege nova direção. Lista liderada por Moçambique tem todos os países da CPLP

Vão estar na assembleia geral, que será presidida por Rogério Hilário, em representação do CEC, representantes da CPLP — Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

Investimentos públicos na ilha de Santo Antão devem ultrapassar os 960 mil contos em 2020

A maior fatia orçamental está destinada à requalificação urbana e melhoria de acessibilidades da ilha cabo-verdiana.

Exploração política está a aumentar sentimento de insegurança em Cabo Verde, diz ministro Paulo Rocha

Segundo o governante que lidera o MAI cabo-verdiano, o país contabiliza desde o início do ano 31 homicídios (o último dos quais no sábado, na Praia), contra os 37 em todo o ano de 2018 e 38 no ano anterior.
Comentários