Processo disciplinar a deputados do PSD Madeira mantém-se apesar de voto contra na votação final global do OE

A mudança de sentido de voto pelos deputados do PSD-Madeira deveu-se “acima de tudo pela postura do PS e do Governo da República durante a discussão do Orçamento do Estado na generalidade”, salientou Sérgio Marques.

O processo disciplinar aos três deputados do PSD-Madeira, Sara Madruga da Costa, Sérgio Marques e Paulo Neves, “vai avançar na mesma”, disse Sérgio Marques ao Económico Madeira, apesar de o facto de terem votado contra na votação final global do Orçamento do Estado poder ser uma atenuante deste mesmo processo.

O PSD instaurou um processo disciplinar contra os deputados madeirenses depois de estes se terem abstido na votação na generalidade do OE, enquanto o resto da bancada social-democrata votou contra.

Embora tenham decidido mudar o sentido de voto na votação final global, votando contra o OE, o processo disciplinar deverá avançar. Contudo, Sérgio Marques acredita que esta mudança de posição por parte dos deputados da Madeira “vai ser objeto de ponderação” no referido processo, por parte do Conselho Nacional de Jurisdição (CNJ).

O deputado referiu que o processo ainda não foi formalmente aberto e que vai ser discutido no próximo Conselho Nacional de Jurisdição, que mudou no passado domingo a sua constituição. A lista de Paulo Colaço foi a mais votada, derrotando a lista da direção, podendo esta mudança no CNJ ser favorável ao processo disciplinar dos três deputados.

A mudança de sentido de voto pelos deputados do PSD-Madeira deveu-se “acima de tudo pela postura do PS e do Governo da República durante a discussão do Orçamento do Estado na generalidade”, salientou Sérgio Marques.

O deputado frisou que das 49 propostas apresentadas pelo PSD-Madeira, “praticamente todas foram aprovadas sem o apoio do PS”. “O apoio a algumas das propostas apareceu à posteriori, depois de terem votado contra”, apontou.

 

Ler mais
Recomendadas

APRAM recebe 4,3 milhões de euros de indemnização compensatória

A verba serve para compensar a APRAM pelas “atividades de interesse público que lhe estão confiadas” pela região, e dizem respeito a 2020.

França inicia operação de encerramento de central nuclear

França encerrou a central nuclear de Fessenhein.

Câmara do Funchal reconhece trabalho de guias turísticos do Funchal

“É graças a vós que a difusão da nossa História e Cultura, das nossas tradições e da nossa maneira de estar é exaltada, e que aqueles que nos visitam levam um pouco do Funchal pelo mundo fora”, salientou.
Comentários