Procura de casa em Portugal por estrangeiros caiu 11% (com áudio)

Cidadãos oriundos do Brasil (22,8%) e França (19,3%) continuam a ser os que maior interesse demonstram em querer viver no país, sendo que a Alemanha (13,4%) foi o país que mais crescimento registou no período analisado.

Cristina Bernardo

A procura de habitação em Portugal por parte de cidadãos estrangeiros registou uma quebra de 11% no primeiro semestre do ano, face ao mesmo período de 2020, segundo apontam os dados do portal imobiliário “Imovirtual” revelados esta quarta-feira, 22 de setembro.

Os cidadãos oriundos do Brasil (22,8%) e França (19,3%) continuam a ser os que maior interesse demonstram em querer viver no país, sendo que a Alemanha (13,4%) foi o país que mais crescimento registou no período analisado.

No entanto, e apesar de lideram esta lista, a procura de casa em Portugal de cidadãos brasileiros apresentou uma quebra homóloga de 8,1%. A Suíça (13,9%), Estados Unidos (11,8%) e Reino Unido (10,5%) são os países que se seguem com mais utilizadores a procurar casa em Portugal no período em análise.

A opção pela compra de continua a ser a mais procurada quer por cidadãos estrangeiros, como portugueses, em particular de moradias que é a primeira opção para 22,8% dos estrangeiros e 14,9% dos portugueses, seguindo-se os apartamentos (15,8% de estrangeiros e 12,8% de portugueses).

Em termos de localização, Lisboa (23%) e Porto (19%) e Braga (16%), são as três regiões mais procuradas para comprar casa.

Recomendadas

Sonae Sierra inicia novo ciclo com estratégia com nova equipa

Novo ciclo da Sonae Sierra aposta no negócio de gestão de investimentos imobiliários e na promoção de projetos urbanos sustentáveis e diferenciadores de usos integrados (residencial, escritórios, lazer e comercial).

Mediadores imobiliários: “Em 2022 vão surgir oportunidades no interior do país”

Presidente da APEMIP acredita que os grandes grupos continuarão a investir, apesar do fim dos Vistos Gold em Lisboa e no Porto.

PremiumCastelhana Real Estate diz que vai “continuar a ter projetos para clientes ‘golden visa'”

Patrícia Clímaco, CEO da mediadora imobiliária, afirma ao Jornal Económico que acredita que o fim deste regime não vai condicionar o mercado no Porto, mas que poderão haver “repercussões” no segmento prime em Lisboa.
Comentários