Procura de petróleo deve cair 30 milhões de barris por dia em abril, alerta Bloomberg

Citando o maior comerciante mundial de petróleo, a agência Bloomberg quantifica a queda prevista para este mês no consumo global, o que pressionará a descida das cotações internacionais de petróleo para níveis muito baixos. O banco Goldman Sachs refere que entre os países mais vulneráveis à descida dos preços do petróleo estão os EUA. No Estado de Wyoming já se vende crude abaixo dos 3 dólares por barril.

Sergei Karpukhin/Reuters

A cotação internacional do petróleo Brent – com os futuros cotados a 25,55 dólares por barril às 11h50 de Lisboa, o que traduz uma quebra de 3,04% face ao valor do fecho anterior – está cada vez mais próxima dos 20 dólares, que a generalidade dos analistas começa a reconhecer como o próximo patamar de negociação do petróleo na Europa. O banco de investimento Goldman Sachs refere que as produções petrolíferas dos EUA, da Rússia e do Canadá serão as mais vulneráveis a quedas de preços, pressionadas pela queda do consumo mundial, que – segundo refere – recuou 25%, o que corresponde a uma redução de 26 milhões de barris por dia. A agência Bloomberg, citando o maior comerciante de petróleo do mundo, refere que em abril a procura mundial vai cair até aos 30 milhões de barris por dia.

Mesmo com os futuros do WTI a serem negociados em cima do patamar dos 20 dólares por barril – às 11h50 de Lisboa os futuros do WTI estavam cotados a 20,62 dólares por barril – a produção da Saudi Aramco, segundo a agência Bloomberg, aumentou para níveis superiores a 12 milhões de barris por dia. Segundo um especialista contactado pelo Jornal Económico, esta estratégia dos sauditas “pretende forçar o encerramento dos poços dos EUA, que a este nível de preços se tornam inviáveis”.

Em sentido contrário ao da Arábia Saudita, a Rússia deu indicações que se absteria de efetuar mais aumentos na produção, segundo a Bloomberg. Desta forma, aumenta a pressão dos produtores norte-americanos de petróleo sobre a Casa Branca, levando o presidente Donald Trump a tentar promover um encontro com os responsáveis sauditas e russos para debaterem uma solução que trave as descidas de cotações do petróleo, em particular, do Brent e do WTI.

Com a redução da procura a continuar a regredir, e o mercado petrolífero inundado num excesso de oferta, aumenta a pressão diária sobre a descida das cotações do petróleo. “Face à previsão da procura poder cair até 30 milhões de barris por dia durante abril, por força da paragem da atividade económica imposta pelo combate à pandemia da Covid-19, as cotações do petróleo poderão chegar a níveis que eram dificilmente imagináveis no último trimestre de 2019”, referiu ao JE o mesmo especialista.

Sobre a eficácia de um novo corte de produção que possa ser acordado entre Trump e os maiores produtores mundiais, muitos analistas consideram que essa medida já viria tarde demais. A agência Bloomberg refere mesmo que “ficaria aquém da perda de consumo”, citando o banco Goldman Sachs.

De acordo com o site Oil Monster – com cotações dos crudes dos EUA -, o crude “Eastern Wyoming Sweet” registou uma queda de 9,67%, baixando a cotação para 9,62 dólares por barril, e o “Wyoming General Sour” caiu 27,84%, sendo cotado a 2,67 dólares por barril. Estes exemplos confirmam a advertência do Goldman Sachs sobre a grande vulnerabilidade à atual crise por parte do petróleo produzido nos EUA.

Ler mais
Recomendadas

Marques Mendes: Governo está a demorar muito tempo a decidir sobre a TAP

O comentador político diz que a solução para a TAP no imediato vai passar por um empréstimo público ou um empréstimo privado com garantia de Estado, apontando que o Estado não vai integrar a Comissão Executiva, mas que os “poderes do Conselho de Administração serão reforçados”.

Luxair retoma voos para Faro com clientes luxemburgueses para hotéis do Grupo NAU

Cerca de 70 turistas do Luxemburgo ficaram alojados no o São Rafael Atlântico e o Salgados Dunas Suites, reabriram hoje, dia 31 de maio, as suas portas, e vão permanecer entre sete e 14 noites.

Centros comerciais vão reabrir amanhã à exceção da Área Metropolitana de Lisboa

Dos 94 centros comerciais associados da APCC, 35 são na Área Metropolitana de Lisboa, representando cerca de 50% do emprego deste subsetor de atividade.
Comentários