Procura de quartos para estudantes aumenta em cidades fora de Lisboa e do Porto

Este aumento de procura fez-se sentir durante a semana de 8 a 14 de setembro, depois de reveladas as listas das vagas para as universidades.

Cristina Bernardo

Os distritos de Aveiro, Castelo Branco e Setúbal foram os mais procurados para encontrar quartos para estudantes universitários durante a semana de 8 a 14 de setembro face ao período homólogo, revela o portal imobiliário Imovirtual.com.

“Este aumento de procura fez-se sentir durante a semana de 08 a 14 de setembro, depois de reveladas as listas das respetivas vagas, e o distrito de Aveiro foi o que registou uma subida superior, na ordem dos 129%, relativamente a 2017”, acrescenta o Imovirtual.com.

O portal imobiliário revela ainda que, no mesmo período, o distrito de Castelo Branco registou uma procura superior de 79%, seguindo-se Setúbal com 73%, e Leiria com 56%.

“Já em Lisboa, a procura de quartos durante esta semana baixou 7%, e no Porto houve uma subida, apenas, de 6%”, observa o Imovirtual.com.

De acordo com Sylvia Bozzo, responsável pelo ‘marketing’ do Imovirtual, “esta procura poder ter sido gerada pela redução de mais de mil vagas, que se verificou este ano, em Lisboa e no Porto”.

“Para além disso, o crescimento do alojamento universitário tem sido uma tendência generalizada no país inteiro, gerando oportunidades para os proprietários de rentabilizar os seus imóveis”, explica a responsável.

De uma maneira geral, durante esta semana, as visitas ao maior portal imobiliário em Portugal dispararam 73% comparativamente com o período homólogo, traduzindo-se em mais de 1,3 milhões de visitas durante este período”, destaca o Imovirtual.com.

Ler mais
Recomendadas

Recorde no Airbnb. Mais de 4 milhões de pessoas reservaram alojamento numa só noite

10 de agosto foi um dia histórico para a empresa criada em 2008.

Valor gerido por fundos de investimento imobiliário cai 26 milhões de euros em julho

A Interfundos (13,1%), a Norfin (10,4%) e a Square AM (10,3%) detinham as quotas de mercado mais elevadas em julho.

Há outro sindicato em guerra com o Governo, agora por causa da Ryanair

“A partir deste momento, os trabalhadores portugueses ficam a saber que para o Governo português só se podem fazer greves de um ou dois dias”, acusa o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil.
Comentários