Procura em venda sindicada de dívida a 10 anos ultrapassa 35 mil milhões de euros

A dívida, que tem prazo de outubro de 2031, deverá ter um ‘spread’ de ‘mid-swaps’ mais 28 pontos base, ou seja, uma taxa de juro perto dos 0,3%, refere a agência noticiosa “Bloomberg”, citando fonte próxima do processo. O montante colocado e o preço final deverão ser divulgados ainda hoje, adiantou.

A procura pelas Obrigações do Tesouro (OT) a 10 anos que o IGCP, Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública, está a vender através de um sindicato bancário já superou os 35 mil milhões de euros, segundo a “Bloomberg”.

A dívida, que tem prazo de outubro de 2031, deverá ter um spread de mid-swaps mais 28 pontos base, ou seja, uma taxa de juro perto dos 0,3%, refere a agência noticiosa, citando fonte próxima do processo. O montante colocado e o preço final deverão ser divulgados ainda hoje, adiantou.

O Barclays, o BBVA, BNP Paribas, o CaixaBank, o Credit Agricolo-CIB e o Citi são os bookrunners, segundo a “Bloomberg”.

Num leilão a 10 de março, a instituição liderada por Cristina Casalinho pagou uma taxa de 0,237% para colocar 625 milhões em dívida a 10 anos, depois de a 13 de janeiro ter pago uma taxa negativa pela primeira vez nesse prazo, de -0,012%. No mercado secundário, essa dívida benchmark portuguesa negoceia a uma yield de 0,219%.

A última venda sindicada ocorreu a 3 de fevereiro, quando o IGCP colocou três mil milhões de euros em OT com prazo de 2052, tendo pago 1,006% numa operação na qual a procura atingiu um recorde acima dos 40 mil milhões de euros, ou 13 vezes superior à oferta.

[Atualizada às 11h19]

Ler mais

Relacionadas

Tesouro quer angariar até 4.250 milhões de euros em dívida de curto prazo no segundo trimestre

O instituto que gere a dívida pública vai realizar três leilões duplos de Bilhetes do Tesouro no segundo trimestre. Leilões e sindicatos de dívida de longo prazo também estão previstos.

Portugal paga taxa de juro mais alta para colocar Obrigações do Tesouro a 10 anos (com áudio)

O IGCP emitiu 625 milhões de euros em dívida com prazo de outubro 2027 e igual montante em obrigações com maturidade em 2030. Depois de ter conseguido uma taxa negativa a 10 anos em janeiro, Portugal pagou agora 0,237%, ubida das taxas da dívida soberana nacional, não estão associadas a um risco específico de Portugal, num movimento que os analistas dizem não estar associado a um risco específico do países, mas a uma tendência da dívida soberana europeia.

Portugal paga 1% para vender três mil milhões em dívida a 30 anos. Procura superou 40 mil milhões

A yield da emissão fixou-se nos 85 pontos base acima da taxa swap do euro a 30 anos (0,156%) o que corresponde a 1,006%, com o IGCP a aproveitar o ambiente de taxas de juro baixas para fazer o ‘rollover’ da dívida e reduzir o custo do financiamento.
Recomendadas

“Mercados em Ação”. “Principal fator para a força do euro é a fraqueza do dólar”

“Penso que os dois fatores contribuem. O principal fator que contribui para a força do euro será a fraqueza do dólar, neste momento. Claro que temos também o aumento do apetite pelo risco”, salientou o analista sénior Ricardo Evangelista no programa da JE TV.

Grupo EDP dispara em bolsa em reação ao compromisso de redução de emissões em 50% dos EUA

O grupo energético português juntou-se a mais 406 empresas que pediram à administração de Joe Biden que assumisse compromissos climáticos mais “ambiciosos” no dia em que decorre a Cimeira para o Clima.

Bancos e tecnológicas mantêm Wall Street em queda

Os três principais índices abriram no ‘vermelho’. “Ações ligadas a energias renováveis também merecem atenção, na véspera da cimeira ambiental organizada por Biden e que contará com a presença do presidente chinês”, refere o analista Ramiro Loureiro.
Comentários