Procura por minerais vai disparar até 2050. Especialistas alertam para necessidade de reutilização de recursos

A produção de baterias irá acelerar a procura por minerais como o grafite, o lítio e o cobalto até 500%. Dados dos Banco Mundial salientam a necessidade destes recursos serem reutilizados para que a temperatura global abaixo dos 2 graus Celsius seja cumprida até 2050.

litio

Serão necessários cerca de três mil milhões de toneladas de metais e minerais para que, em 2050, se consiga manter a a temperatura do planeta abaixo dos 2°C, sugerido pelo Painel Intergovernamental pelas Alterações Climáticas, em comparação com a era pré-industrial. O equivalente a 300 mil Torres Eiffel.

Numa altura em que as nações embarcam na missão para uma transição energética, muitos especialistas e ambientalistas consideram que os minerais poderão acelerar esse processo, nomeadamente, John Drexhage, o keynote speaker da conferência internacional Associação Portuguesa de Economia da Energia (APEEN 2021) dedicada à transição energética e sustentabilidade, esta quarta-feira, via digital.

O consultor na área das alterações climáticas e desenvolvimento sustentável apresentou um relatório, do qual é um dos principais autores, conduzido pelo Banco Mundial e titulado de “Minerals and Metals to Meet the Needs of a Low-Carbon Economy”. No documento é analisado a importância e impactos que a procura elevada por minerais poderá ter nas próximas décadas, frisando que a reciclagem e reutilização de minerais poderão ser a solução para respeitar as metas ambientais assinadas no Acordo de Paris, em 2015.

Até 2050, a procura por minerais irá disparar, nomeadamente o interesse pelo grafite, o lítio e o cobalto. Estes três representam os principais elementos com maior procura que poderá chegar aos cerca de 500%. Este aumento deve-se ao facto de que, até 2050, a produção de baterias irá representar uma grande quota no mercado mundial.

Face a este aumento na procura, os dados do Banco Mundial sugerem que a reciclagem e a reutilização destes minerais poderão ser a solução para minorar a procura. Exemplificando com dados sobre o uso do alumínio, Drexhage explica que se este mineral fosse recuperado a 100%, as taxas de reutilização aumentariam dos atuais 35% para 61%, enquanto que a taxa de reutilização do cobre poderia subir de 29% para 59%.

Embora seja uma iniciativa mais sustentável, os resultados indicam que ainda assim não seria o suficiente para controlar a procura, uma vez que os minerais primários, aqueles extraídos diretamente do solo, continuariam a ser necessários para a produção de elementos tecnológicos.

Por isso, o estudo do Banco Mundial sugere que os principais atores do setor da mineração e os governos apostem nos minerais mais sustentáveis. Atualmente, os recursos renováveis apenas representa 6% das emissões de tecnologias e infraestruturas à base de carvão e gás natural. Juntos, estes dois últimos representam cerca de 256 gigatoneladas de dióxido de carbono equivalente uma vez que são usados para tornar estas tecnologias e infraestruturas operacionais.

Drexhage ressalvou ainda a importância dos países com menores rendimentos apostarem na mineração renovável, tendo como objetivo tornar esta atividade na “mais sustentável e verde possível” nos próximos anos.

Ler mais
Recomendadas

Fim de semana vai ter aumento de temperaturas. Termómetros chegam aos 21 graus

As temperaturas vão subir ligeiramente no fim de semana porque a depressão que tem gerado precipitação vai passar a ter “menos influência no estado do tempo em Portugal Continental”, avisou o IPMA ao Jornal Económico. Haverá, porém, alguma nebulosidade.

Presidência UE: Trinta organizações pedem transição climática justa

Os subscritores pedem também que as metas climáticas da UE evitem prejudicar o acesso de bens de mercados emergentes como os de África ao mercado comunitário, além de que se deve reforçar a contribuição europeia para os fundos destinados a apoiar os países em desenvolvimento na luta contra as alterações climáticas.

ONG processam grupo francês por desflorestação no Brasil e na Colômbia

A ação judicial, cujos promotores asseguram que é “inédita” e que esperam que seja resolvida em ano e meio, foi apresentada na cidade de Saint-Étienne (sudeste da França), onde está localizada a sede do Grupo Casino, que controla a marca Pão de Açúcar no Brasil e a Éxito na Colômbia.
Comentários