PRODERAM já aprovou 92,4 milhões de euros

O PRODERAM já executou 21,5 milhões de euros.

O Programa de Desenvolvimento Rural da Madeira (PRODERAM) já aprovou 92,4 milhões de euros de despesa pública sendo que 81,5 milhões de euros são comparticipação do Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER) até ao segundo trimestre do ano.

Do PRODERAM já foram executados até ao segundo trimestre 21,5 milhões de euros de despesa pública. O FEADER é responsável por 19 milhões de euros.

A taxa de execução do PRODERAM foi de 11% no segundo trimestre e coincide com a taxa de pagamentos. A taxa de compromisso subiu de 9% no terceiro trimestre de 2016 para os 45% no segundo trimestre de 2017.

A contribuição máxima do FEADER é de 179,4 milhões de euros. Este programa com fundos europeus pretende aumentar os níveis de sustentabilidade agrícola e rural.

 

Relacionadas

Madeira 14-20 já aprovou 225 milhões de euros

Até ao final de junho foram executados 79,5 milhões de euros.

PO SEUR já executou 73,2 milhões de euros

O PO SEUR tem uma dotação de 295,5 milhões de euros, sendo que até ao final do segundo trimestre foram executados 73,2 milhões de euros.
Recomendadas

Saiba em que condições pode recorrer ao apoio judiciário da Segurança Social

Saiba que existe um apoio judiciário concedido pela Segurança Social para garantir os seus direitos. Alguns consumidores optam por não lutar pelos seus direitos por falta de possibilidades financeiras para suportar o pagamento de um advogado e outros processos burocráticos envolventes. Mas o cidadão tem à sua disposição o apoio judicial concedido pela Segurança Social. […]

Madeira: retalho vê restauração e maquilhagem a cair e produtos regionais com aumento de procura

Entre os produtos que obtiveram maiores quebras estiveram ainda a cafetaria e os produtos para pentear (lacas e gel). Entre os produtos com maior procura encontram-se ainda: produtos de higiene do lar e produtos alimentares básicos e de preparação de refeições.

Mega processos – impacto socioeconómico

Somos pródigos em dar tiros nos pés, a bem de uma pseudo justiça que nada mais faz do que alimentar a vontade de corromper, para quem tem propensão para tal, naturalmente. Que sirva de exemplo, megaprocessos são sorvedouros de dinheiro público, com retorno manifestamente escasso.
Comentários