Produção de eletricidade renovável registou um aumento de 10% em 2018

Já o consumo de energia primária desceu 2,8% relativamente ao ano anterior, o que permitiu reduzir os consumos de carvão e gás natural para a produção de eletricidade em 20%, evitando o consumo de cerca de 1 milhão de toneladas equivalentes de petróleo (tep) de energia de origem fóssil.

A produção de eletricidade renovável em 2018 atingiu os 55,2% o que representou um crescimento de 10% face aos 45,5% verificados no ano de 2017, segundo um comunicado do ministério do Ambiente publicado esta segunda-feira, 2 de dezembro.

De acordo com o documento “este valor ficou a dever-se, em primeiro lugar ao aumento da produção hidroelétrica, 79% superior à do ano anterior, mas também ao aumento da potência instalada em renováveis, a qual aumentou em 220 megawatts face ao ano anterior.

Em 2018, o consumo de energia primária desceu 2,8% relativamente ao ano anterior, o que permitiu reduzir os consumos de carvão e gás natural para a produção de eletricidade em 20%, evitando o consumo de cerca de um milhão de toneladas equivalentes de petróleo (tep) de energia de origem fóssil.

Em sentido inverso, o consumo de energia final aumentou cerca de 1,4% relativamente a 2017. Este facto ficou à aviação, transportes marítimos e rodoviários. Devido à redução do consumo do carvão e de gás natural na produção de eletricidade, houve uma diminuição da dependência energética em 1,9 pp (de 77,8%, em 2017, para 75,9%, em 2018).

Nos anos de 2019 e seguintes, fruto da entrada em exploração de capacidade renovável licenciada nos anos de 2016-8 e da realização dos leilões de solar fotovoltaico, a tendência positiva irá intensificar-se, consolidando, desse modo, a capacidade do país para cumprir as metas de 2020 – 60% de eletricidade a partir de fontes de energia renovável e 31% de renováveis no consumo final de energia final.

Recomendadas

Mais de 50 jornalistas subscrevem abaixo-assinado em defesa de Maria Flor Pedroso

“Confrontados com o grave ataque público à integridade profissional da jornalista Maria Flor Pedroso, os jornalistas abaixo-assinados não podem deixar de tomar posição em sua defesa”, referem os 55 jornalistas que subscrevem o documento.

PremiumO Estado angolano, a empresa americana e o gestor português

A Aenergy, detida por um português, teve vários contratos cancelados pelo Executivo angolano por alegadas irregularidades. Oempresário diz que sempre cumpriu a lei e já recorreu das decisões.

Equipa da RTP retida e questionada na fronteira no regresso de Hong Kong

O caso levou a Associação de Imprensa em Português e Inglês de Macau (AIPIM) a apelar às autoridades de Macau para que “o livre exercício da profissão esteja assegurado na plenitude”.
Comentários