Produção de energia solar atinge máximo histórico em Portugal

A produção de energia solar atingiu recorde em fevereiro devido à entrada em operação de novas centrais. Governo vai lançar dois leilões de energia solar durante o ano de 2020.

A produção de eletricidade através da energia solar fotovoltaica atingiu um novo máximo histórico no mês de fevereiro.

“A potência máxima das instalações fotovoltaicas atingiu este mês 568 MW, que passou a ser o valor máximo registado no sistema nacional”, diz a Redes Energéticas Nacionais (REN) em comunicado.

Este recorde pode ser explicado devido à entrada em operação à medida que novas centrais solares entram em operação.

Ao mesmo tempo, também a produção de eletricidade através de biomassa atingiu um novo recorde em fevereiro: 415 MW.

Recorde-se que o Governo já está a preparar o segundo leilão de atribuição de potência de energia solar fotovoltaica. Este processo vai ser lançado durante o primeiro trimestre de 2020 e vai atribuir um total de 700 a 800 megawatts (MW).

O anúncio foi feito a 14 de janeiro pelo ministro do Ambiente e da Ação Climática no Parlamento que também anunciou a realização de um terceiro leilão, a realizar até ao final do ano.

“Tirando proveito do sucesso do leilão realizado em 2019, irá ser lançado durante o primeiro trimestre de 2020 um novo leilão de atribuição de capacidade solar, introduzindo uma nova opção para os promotores que pretendam desenvolver projetos de armazenamento”, segundo o documento divulgado pelo Governo a 14 de janeiro.

Já a EDP anunciou que vai concorrer aos próximos leilões de energia solar em Portugal. A elétrica concorreu ao primeiro leilão que teve lugar em 2019, e garante que está disposta a ir novamente a jogo.

“Gostava de deixar claro o nosso compromisso com Portugal”, disse António Mexia a 20 de fevereiro durante a apresentação dos resultados anuais da companhia.

Na energia solar, a companhia está a desenvolver 142 megawatts, fruto do primeiro leilão realizado em 2019. “Iremos concorrer aos próximos leilões”, garantiu António Mexia.

O ano energético de 2019 em Portugal ficou marcado por duas tendências: o carvão perdeu peso enquanto a energia solar começa gradualmente a descolar.

A energia solar fotovoltaica foi a fonte energética que apresentou maior crescimento percentual entre as diferentes fontes de produção de eletricidade em 2019, ultrapassando pela primeira vez a marca de 1.000 gigawatts hora.

A energia solar cresceu assim 27% para 1.052 GWh, aponta a REN, em parte devido à entrada em operação de centrais como a Ourika!, localizada em Ourique, distrito de Beja, com uma potência instalada de 46 megawatts (MW).

Já o peso das duas centrais a carvão – Sines e Pego – no consumo de eletricidade em Portugal afundou 76% em 2019, com a REN a destacar que esta é a “quota mais baixa do carvão desde a entrada em serviço pleno da central de Sines em 1989”.

Ler mais
Relacionadas

EDP anuncia que vai concorrer aos próximos leilões de energia solar em Portugal

Apesar da operação portuguesa ter registado prejuízos pelo segundo ano consecutivo, sob o impacto negativo de 220 milhões de impostos e taxas criados desde 2014, o presidente da EDP garantiu que a elétrica está comprometida com Portugal.

2019: O ano em que o carvão desceu 73% e o solar subiu 26% na produção de eletricidade em Portugal

A descida do peso do carvão e o aumento da capacidade da energia solar são as duas tendências verificadas no mercado energético português em 2019 e que deverão ser as duas das principais tendências nos próximos anos.

Governo lança segundo leilão de energia solar até ao final de março

Novo leilão vai atribuir entre 700 a 800 megawatts e vai introduzir uma “nova opção” para os promotores que queiram desenvolver projetos de armazenamento. Mais tarde, será realizado um terceiro leilão até ao final deste ano.
Recomendadas

“Não há solução perfeita ou indolor para a TAP”, diz confederação de turismo

O turismo em Portugal preocupa em queda de receitas e aumento de desemprego, mas o líder da CTP acredita na retoma. Defende a prorrogação do ‘lay-off’ e uma campanha de promoção interna.

Estudo revela que três em cada dez startups do Porto correm o risco de fechar

O relatório “Impacto da Covid-19 nas Startups do Porto”, elaborado pela Porto Digital, FES Agency e Aliados Consulting, revela que 31,7% das startups têm até três meses de capital disponível.

PremiumMontepio Crédito defende CFEI para capitalizar empresas

Pedro Gouveia Alves realça que este instrumento de crédito fiscal já deu provas positivas em 2014. Autonomia financeira do setor ronda apenas os 20%.
Comentários