Produção de hidrogénio verde é sinónimo de liderança a nível mundial e captação de investimento estrangeiro

Na conferência realizada pela APREN, os participantes do painel consideraram que a aposta no hidrogénio verde apenas traz vantagens para Portugal. Porém ressalvam um aspeto: é necessária a cooperação entre o setor privado e público para que se beneficie ao máximo desta aposta.

Portugal tem reunidas as condições para liderar a nível internacional a produção de hidrogénio verde. Esta posição foi assumida de forma consensual entre os participantes no painel “H2: o caminho para a eletrificação direta e indireta”, da conferência da APREN “Portugal Renewable Energy Summit 2020“, realizada, esta quinta-feira, no Culturgest, em Lisboa.

“Portugal é um hostpot para a energia verde”, começou por referir Christian Pho Duc, administrador executivo da Smartenergy durante a sua apresentação inicial, argumentando que o mundo regista atualmente os níveis mais elevados de emissão de gases de efeitos de estufa (GEE) nos últimos três milhões de anos.

“Em Portugal a escolha já foi feita. A aposta no hidrogénio verde já existe”, referiu, acrescentando que a empresa suíça de energia tem atualmente quatro projetos em Portugal que têm como objetivo desenvolver a injeção de rede de gás, mobilidade e uso industrial.

Em representação da empresa francesa Voltalia, João Amaral considera que existe uma “vantagem competitiva” e condições favoráveis para a produção primária de hidrogénio.

“As infraestruturas e os incentivos são fundamentais, já existe uma estratégia nacional. Existem conduções”, referiu. “Mas acima de tudo, a aposta no hidrogénio vai passar pela coordenação e agilização de competências e criação de emprego”.

A coordenação para que a execução deste projeto seja feita de forma mais eficaz de objetiva foi também defendida pela presidente do Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG) que considera que “tudo isto tem a ver com cooperação entre o publico e privado”.

Durante a sua intervenção, Teresa Ponce Leão realçou a necessidade de olharmos para as “várias cadeias de valor a que o hidrogénio tem uso”, relembrando que esta é uma energia com várias facetas.

“O hidrogénio pode ser uma mais valia mas tem que ser avaliado de forma muito responsável. Sem  se conhecer os impactos de forma muito detalhada ao longo de todo o projeto, podemos arriscar trazer consequências para o futuro”, argumentou.

Já o presidente da ADENE, defende que não só estão reunidas as condições, como agora é o momento ideal para avançar com esta aposta. Nélson Lage, considera que o “hidrogénio é uma aposta no presente a pensar no futuro” e que “não merece dúvidas”.

“É uma aposta que tem que ser feita com o envolvimento de todos os intervenientes do setor”, referiu, sublinhando que o interesse do setor privado será determinante para o rumo do hidrogénio em Portugal, por sua vez, na Europa.

O responsável pela entidade Agência para a Energia relembra ainda que o investimento nesta energia verde serve de “alavanca para atrair investimento no setor das energias renováveis”.

“O setor do hidrogénio vai criar um novo cluster a nível industrial”, afirmou. “Vai criar emprego, riqueza e industria. Há vontade politica, privada, já foram feitas internacionalizações e parcerias a nível europeu. O momento é agora”, vincou.

Esta quarta-feira, durante o primeiro dia da conferência, a Comissária Europeia para a Energia explicou que “Portugal apresenta condições favoráveis e competitivas para a produção de hidrogénio”.

Para Kadri Simson, o território português “tem a localização geográfica, elevada penetração de renováveis no sistema elétrico, tem produção de baixo custo” e procura desenvolver “cadeias de valor de produção de hidrogénio”.

A comissária da Estónia destacou o projeto conhecido por Green Flamingo idealizado para Sines com o objetivo de construir um eletrolisador com cinco gigawatts que vai produzir hidrogénio verde para exportar via navio para a Holanda, precisamente a partir de fontes renováveis: eólica e solar.

“É um grande projeto e gostaria de ouvir mais sobre isso durante a presidência de Portugal do Conselho Europeu a partir de janeiro”, afirmou Kadri Simson.

Governo vai financiar até 40 milhões de euros projetos de hidrogénio verde

Nas Grandes Opções do Plano, aprovado em Conselho de Ministros em meados de setembro, o Governo sinaliza que quer arrancar com o projeto de hidrogénio verde em Sines em 2021 e que vai apresentar uma candidatura a fundos europeus ainda este ano para este projeto.

“Dar-se-á seguimento dos trabalhos com vista à formação de um consórcio para a instalação de um ‘cluster’ industrial de Hidrogénio Verde em Sines, prevendo-se a apresentação de uma candidatura ao IPCEI [sigla em inglês para Projeto Importante de Interesse Europeu Comum] durante o segundo semestre de 2020 e início dos trabalhos de implementação do projeto durante 2021”, segundo o GOP, citado pela Lusa.

“Durante 2020, serão aprovados os procedimentos necessários aplicáveis às várias vertentes da cadeia de valor dos gases renováveis, incluindo o licenciamento de instalações e a regulamentação da injeção de hidrogénio nas redes de gás natural”, segundo o GOP.

O objetivo instalar uma unidade industrial de, pelo menos, um gigawatt (GW) até 2030, com o Governo a apontar que este investimento poderá “posicionar Sines, e Portugal, como um importante ‘hub’ de hidrogénio verde”.

O Governo português e o dos Países Baixos assinaram a 23 de setembro um memorando de entendimento para “afirmar a sua intenção de ligar os planos de hidrogénio de Portugal e dos Países Baixos para 2030”.

“O memorando prevê o desenvolvimento de uma cadeia de valor estratégica de exportação-importação, garantindo a produção e o transporte de hidrogénio verde de Portugal para os Países Baixos e o seu hinterland, através dos portos de Sines e de Roterdão”, segundo o comunicado na altura do Ministério do Ambiente e da Ação Climática (MAAC).

 

Ler mais
Relacionadas

Pedidos para ligar centrais solares à rede atingem os 270 gigawatts

A REN recebeu mais de quatro mil pedidos para ligar centrais à sua rede. Portugal tem uma meta até 2030 para atingir os nove gigawatts de nova potência solar, com os pedidos a ultrapassarem largamente esta meta.

Interligação elétrica ibérica com o resto da Europa continua a ser relevante, defende ERSE

Atualmente, Portugal e Espanha têm 15% de capacidade de interligação elétrica à Europa. Em cima da mesa continua a hipótese de criar uma interligação entre a Península Ibérica e outros parceiros europeus, nomeadamente com França.
Recomendadas

Escócia será o primeiro país no mundo a utilizar hidrogénio verde em casas

O teste tem o apoio do regulador de energia, Ofgem, que concedeu 18 milhões de libras (20 milhões de euros) para o desenvolvimento do projeto pioneiro. A concessão é parte de um concurso de financiamento que apoia a inovação para ajudar a preparar as redes de energia do Reino Unido para um futuro com baixas emissões de dióxido de carbono.

Clima: Tribunal dos Direitos Humanos dá “luz verde” a processo movido por jovens

“Como a grande maioria dos casos movidos pelo tribunal de Estrasburgo não chega a esse estágio, esta decisão representa um grande passo em direção a um possível julgamento histórico sobre as mudanças climáticas”, lê-se no documento divulgado pela organização não governamental GLAN.

O que reserva o futuro para as concessões das águas?

Setor privado quer ter maior papel no setor das águas. Governo diz que é preciso investir mais nas infraestruturas e melhorar qualidade do serviço.
Comentários