Produção de petróleo no Brasil cai 6,5% em maio

O Brasil produziu em maio uma média diária de 2,765 milhões de barris de petróleo, 6,5% a menos do que em abril, devido aos efeitos económicos provocados pela pandemia.

O Brasil produziu em maio uma média diária de 2,765 milhões de barris de petróleo, 6,5% a menos do que em abril, devido aos efeitos económicos provocados pela pandemia de Covid-19, segundo revelam dados oficiais.

Apesar da queda na produção em relação ao mês anterior, o país sul-americano registou um aumento de 1,3% na comparação interanual. De acordo com o saldo divulgado pela ANP, o órgão regulador do setor, a produção de gás natural atingiu 114 milhões de metros cúbicos por dia, com uma redução de 7,8% em relação a abril e de 3% em relação ao mesmo mês de 2019.

Somando os dois combustíveis, a produção brasileira de petróleo e gás natural em abril foi de 3,485 milhões de barris equivalentes (padrão de medida equivalente à energia libertada pela queima de um barril de petróleo bruto) diários.

Segundo a ANP, a produção de 34 campos foi temporariamente interrompida em maio devido aos efeitos da pandemia do novo coronavírus, dos quais 16 marítimos e 18 em terra, e um total de 60 instalações marítimas permaneceram com a produção suspensa.

Em abril, havia 38 campos e 66 instalações com a produção interrompida pelo mesmo motivo. No boletim divulgado hoje, o órgão regulador indica que o pré-sal, área de reservas petrolíferas descoberta em águas muito profundas do oceano Atlântico, foi responsável por 67,8% da produção brasileira de petróleo e gás natural em maio.

O pré-sal está localizado sob uma camada de sal de dois quilómetros de espessura e as suas reservas gigantescas podem tornar o Brasil num dos maiores exportadores mundiais de petróleo bruto.

O Brasil produziu em maio 2,363 milhões de barris diários equivalentes de petróleo e gás natural no pré-sal, representando uma descida de 9% em relação a abril, mas um aumento de 12,2% em relação a maio do ano passado.

A produção em maio nos 115 poços já perfurados no pré-sal foi de 1,875 milhões de barris diários de petróleo e 77,57 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia.

Os poços marítimos foram responsáveis por 96,5% de toda a produção de petróleo brasileira e por 86% da de gás natural.

Em relação às empresas, a Petrobras permaneceu líder e foi responsável por 85,3% da produção brasileira em maio. Os números da ANP incluem a produção nas 270 áreas que as diferentes empresas exploram sob concessão, das duas áreas cedidas exclusivamente à Petrobras e de cinco áreas promissoras que são exploradas através de acordos de associação com o Estado.

As 34 empresas que operam no país fazem-no em 212 áreas terrestres e 58 marítimas, nas quais foram perfurados 6.905 poços (492 marítimos e 6.413 terrestres).

O Brasil, segundo país do mundo com mais mortos e infetados pelo novo coronavírus, totaliza 60.632 vítimas mortais e 1.448.753 pessoas diagnosticadas com covid-19 desde o início da pandemia.

Ler mais
Recomendadas

Goldman Sachs deve cortar 1% dos postos de trabalho

Com a crise pandémica, a situação dos bancos deteriorou-se e a necessidade de revitalizar ou assegurar equilíbrio tem levado, muitas vezes, a despedimentos nestas instituições.

EUA: adiamento da votação do Congresso dá esperança à aprovação de novo pacote de estímulos

Depois de meses de impasse, a Câmara dos Representantes, de maioria democrata, decidiu não votar um pacote que estava condenado ao fracasso quando subisse ao Senado, de maioria republicana. O adiamento é visto como um sinal de avanços nas negociações entre Nancy Pelosi e Steve Mnuchin, ou seja, entre os democratas do Congresso e a Casa Branca.

3.800 euros: Genebra vai pagar o salário mínimo mais elevado do mundo

Os 500 mil eleitores da cidade suíça aprovaram o salário mínimo proposto pelos sindicatos locais e partidos de esquerda, depois de já terem sido rejeitados duas vezes em 2011 e 2014. Medida entra em vigor a partir de 17 de outubro.
Comentários