Produção e montagem de carros caiu 29,5% em junho

No primeiro semestre de 2021, Portugal produziu 152.267 automóveis, um aumento de 29,8% do que no mesmo semestre do ano anterior mas menos 17,3% do que em igual período de 2019.

Portugal produziu um total de 16.170 veículos automóveis em junho de 2021, uma quebra de 29,5% face ao mesmo mês de 2020 e de 43,6% em relação a junho de 2019, revelam os dados recolhidos pela Associação Automóvel de Portugal (ACAP).

“Para o resultado negativo registado em junho terá contribuído essencialmente a atual crise no fornecimento de semicondutores que afeta a indústria automóvel a nível mundial”, assume a entidade, uma vez que em 2020 se sentiu paragens devido ao lay-off.

No primeiro semestre de 2021, Portugal produziu 152.267 automóveis, um aumento de 29,8% do que no mesmo semestre do ano anterior mas menos 17,3% do que em igual período de 2019.

De acordo com a ACAP, esta quebra de produção demonstra a “importância que as exportações representam para o sector automóvel, já que 98% dos veículos fabricados em Portugal têm como destino o mercado externo, o que contribui de forma significativa para a balança comercial portuguesa”.

A Europa é o mercado líder nas exportações dos veículos fabricados em território nacional, com a Alemanha (15,8%), França (14,7%), Itália (13,6%), Espanha (12,0%) e Reino Unido (7,2%).

Também em junho de 2021 foram montados 18 veículos pesados, um decréscimo de 83,6% face ao mesmo mês de 2020. Em termos acumulados, no primeiro semestre do ano a montagem nacional de pesados caiu 70,8% em comparação com igual período do ano anterior, com 124 veículos pesados a terem sido montados em 2021.

Recomendadas

Novos limites da pesca da sardinha variam entre 1.575 e 4.725 quilogramas

Para as embarcações com comprimento superior a nove metros e inferior ou igual 16 metros o limite é 3.150 quilos (150 cabazes, quando aplicável).

OCDE admite que aumento da inflação pode persistir durante “algum tempo”

OCDE estima que os preços globais das ‘commodities’ em julho e agosto deste ano foram cerca de 55% mais altos do que no ano anterior. Organização admite que os aumentos dos preços das matérias-primas irá “demorar a desaparecer”.

Administradores de insolvência da Groundforce propõem manutenção da empresa

Bruno Costa Pereira e Pedro Pidwell indicam ainda que “se viu interposto recurso, por parte da devedora, da sentença que declarou a sua insolvência, o que, atento o disposto no art.º 209.º, n.º 2, do CIRE, levará a que a nova assembleia de credores para discutir e votar o plano possa não vir a reunir no ‘timing’ que seria desejável”.
Comentários