Produção industrial cai 0,7% na zona euro, mas Portugal regista segunda maior subida

No conjunto das economias da União Europeia (UE), a quebra foi de 0,4%.

A produção industrial na zona euro caiu 0,7% em junho deste ano, face ao mês anterior, segundo as estimativas divulgadas pelo Eurostat, esta terça-feira, 14 de Junho. Em Portugal, registou-se uma subida de 1,1%, em contraciclo, o segundo maior crescimento entre os países da moeda única.

No conjunto das economias da União Europeia (UE), a quebra foi de 0,4%. As maiores quebras, que ajudaram a definir a tendência, registaram-se na Irlanda, com -8,9%, na Holanda (-1,3%) e na Hungria (-1,2%).

 

O Eurostat assinala que esta evolução se deve à quebra de 2,9% da produção de bens de capital, à descida de 0,6% na produção de bens de consumo não duráveis e de 0,5% na de bens intermediários.

Em termos homólogos (face a igual período do ano anterior), a produção industrial aumentou 2,5% na zona euro e 2,6% na UE. Portugal surge, de novo, em contraciclo, com uma quebra de 1%, a segunda mais pronunciada.

O Eurostat assinala que esta evolução, na Europa, se deve ao aumento de 4,4% da produção de bens de capital, ao aumento de 3,1% na produção de bens de consumo não duráveis e de 2,1% na de bens intermediários.

A produção de energia caiu 2,2%.

Ler mais
Relacionadas

Preços na produção industrial aumentaram 4,0% em junho

Os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) revelados esta quarta-feira mostram que os preços na produção industrial registaram uma subida de 0,8 pontos percentuais face a maio.

Produção industrial recua em Portugal, em contraciclo com zona euro

Na variação em cadeia, os principais avanços assinalaram-se na Lituânia (11,6%), na Suécia (3,4%) e na Irlanda (3,2%) e os recuos na Dinamarca (-2,8%), em Portugal (-2,0%), Estónia, Roménia e Reino Unido (-0,4% cada).
Recomendadas

OE com “número elevado” de cativações “acaba por ser uma mentira”, acusa Rui Rio

Líder social-democrata referiu ainda que a questão das cativações de despesa deve preocupar em particular bloquistas e comunistas.

BdP baptiza prémio para a melhor tese de mestrado de economia de “Prémio José da Silva Lopes”

Este ano, o Conselho de Administração do Banco de Portugal decidiu renomear este prémio, que passa a designar-se “Prémio José da Silva Lopes”, em homenagem ao antigo Governador do Banco de Portugal. A vencedora do Prémio José da Silva Lopes foi Joana Passinhas do ISEG.

Montepio revê em baixa crescimento do PIB português de 2018 para 2,2%

O Montepio estima agora um crescimento de 2,2% no PIB no conjunto deste ano, o que representa uma diminuição face à anterior estimativa (+2,3%) e ao registado em 2017 (+2,8%).
Comentários