Produção industrial caiu 2,9% em Portugal em novembro de 2018

Em relação à União Europeia a quebra foi de 1,3%. Em comparação com o mês anterior a produção industrial aumentou 0,1% tanto na zona Euro como na União Europeia.

Em novembro de 2018 a produção industrial registou uma queda de 2,9% em Portugal. No mês de outubro a quebra tinha sido de 0,5%, segundo as estimativas do serviço estatístico da União Europeia, Eurostat, divulgado esta segunda-feira.

No que diz respeito à zona Euro registou-se uma descida de 1,7%, e de 1,3% na União Europeia, no mês de novembro de 2018. Em comparação com o mês de outubro do mesmo ano, a produção industrial aumentou 0,1% tanto na zona Euro  como na União Europeia. Face a novembro de 2017, a produção industrial caiu 3,3% na zona Euro e 2,2% na União Europeia.

No que toca à produção de bens de capital baixaram 2,3%, os bens de consumo duráveis ​1,7%, bens intermediários 1,2%, os bens de consumo não-duráveis ​1,0% e a energia 0,6%, na zona Euro em novembro de 2018, quando comparado com o mês anterior.

Na União Europeia, a produção de bens de capital caiu 1,6%, bens intermediários 1,1%, bens de consumo duráveis 1,0%, bens de consumo não duráveis, 0,6% e energia, 0,5%, no mês de novembro de 2018, face a outubro do mesmo ano.

Entre os estados-membros para os quais o Eurostat tem dados disponíveis, as maiores quebras na produção industrial registaram-se na Irlanda (9,1%), Alemanha (5,1%), e Espanha (2,8%). Os maiores aumentos foram verificados na Estónia (7,9%), Polónia (5,3%) e Hungria (3,5%).

Recomendadas

Apesar da ira de Trump, Sintra não foi palco de ‘guerra cambial’ entre Europa e EUA

Primeiro dia do Fórum do Banco Central Europeu (BCE), em Sintra, ficou marcado pela troca de palavras entre Donald Trump e Mario Draghi. “Não visámos as taxas de câmbio”, disse o presidente do BCE, em resposta à crítica do presidente norte-americano sobre o impacto de possíveis cortes adicionais da taxa de juros na zona euro.

Stanley Fischer fez duas previsões: se Trump for reeleito, a Fed terá novo presidente e os EUA serão do “terceiro mundo”

Ex-governador do Banco de Israel e ex-vice da Fed durante a administração de Obama, Stanley Fischer disse que o atual presidente da Reserva Federal norte-americana tem os dias contados se Donald Trump for reeleito. E, nesse caso, existe a probabilidade de os EUA se tornarem num país do ‘terceiro mundo’.

Carney salienta que Banco de Inglaterra pode relançar programa para estimular concessão de crédito

No Fórum do Banco Central Europeu, Mark Carney defendeu ainda a importância de comunicar o ‘guidance’ para “gerir expectativas à medida que as circunstâncias mudam”.
Comentários