Produção industrial da China cresce em julho ao ritmo mais lento desde 2002

No mês passado, a produção industrial na segunda maior economia mundial registou um aumento homólogo de 4,8%, em julho, menos 1,5 pontos percentuais do que no mês anterior, disse o Gabinete Nacional de Estatísticas chinês.

O ritmo de crescimento da produção industrial da China foi, em julho, o mais lento dos últimos 17 anos, acompanhando a tendência de outros indicadores económicos, à medida que Pequim trava uma guerra comercial com Washington.

No mês passado, a produção industrial na segunda maior economia mundial registou um aumento homólogo de 4,8%, em julho, menos 1,5 pontos percentuais do que no mês anterior, disse o Gabinete Nacional de Estatísticas (GNE) chinês.

Trata-se do ritmo de crescimento mais lento desse fevereiro de 2002.

Segundo a consultora britânica Capital Economics, os dados mostraram que a desaceleração da economia chinesa está a acentuar-se e prevê um “abrandamento mais acentuado no horizonte”.

“Os dados sugerem que o crescimento económico enfrenta renovadas pressões negativas. Mesmo com políticas fiscais mais favoráveis, a atividade da construção permanecerá sob pressão nos próximos trimestres, quando o recente ‘boom’ do desenvolvimento imobiliário relaxar”, considerou o analista Julian Evans-Pritchard, num relatório.

A produção industrial é utilizada pelas estatísticas chinesas para medir a atividade das grandes empresas, com receitas anuais superiores a 20 milhões de yuan (2,5 milhões de euros).

No conjunto dos primeiros sete meses do ano, a produção industrial cresceu 5,8%, em termos homólogos, segundo a agência.

O investimento em ativos fixos, que inclui os gastos com imóveis, infraestrutura ou maquinaria, cresceu 5,7%, entre janeiro e julho, em comparação com o mesmo período do ano anterior.

O aumento homólogo das vendas a retalho, o principal indicador do consumo privado, fixou-se em 7,6%, em julho, depois de ter crescido 9,8%, no mês passado.

Analistas disseram acreditar que a queda se deve sobretudo à diminuição na venda de automóveis.

O analista da Capital Economics acrescentou prever uma desvalorização futura da moeda chinesa, o yuan, mas que dificilmente compensará o arrefecimento da procura global ou o aumento das taxas alfandegárias sobre produtos chineses, impostas pelos Estados Unidos.

“Como resultado, esperamos nova desaceleração da atividade económica, no próximo ano”, concluiu Evans-Pritchard.

Ler mais

Recomendadas

Correia de Campos: “Não houve gestão estratégica para a administração pública em 20 anos”

.Numa altura em que está marcada uma greve nacional da função pública para dia 31 contra a proposta de aumentos salariais do Governo, de 0,3%, o presidente do CES defende que “as preocupações salariais são essenciais”, mas lamenta que elas tenham “dominado em excesso as preocupações da gestão da AP”.

Eurogrupo reúne esta segunda-feira com Orçamento português na agenda

O aprofundamento da União Económica e Monetária, a missão intercalar do FMI e a proposta de política económica para os países da moeda única este ano estão entre os outros pontos de agenda do encontro dos ministros das Finanças da zona euro.

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

Christine Lagarde poderá anunciar o início formal da revisão estratégica do BCE depois da reunião de quinta-feira. A semana ser marcada pelo World Economic Forum em Davos e pela época de resultados em Wall Street.
Comentários