Produção na construção recua 3,4% em fevereiro

Apesar do impacto do confinamento na atividade, as remunerações na construção observam uma variação homóloga e mensal positiva. Já o emprego no sector também continua a recuar.

O índice de produção na construção caiu 3,4% em fevereiro, quando comparado com igual período do ano passado, mostram os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) desta terça-feira. Este valor é representa um agravamento em relação à quebra homóloga de 2,6% registada em janeiro.

O resultado deste indicador é fruto de uma queda em ambas as componentes, a de construção de edifícios e a de engenharia civil, onde os recuos foram de 4,7% e 1,5%, respetivamente. Em janeiro, estas quebras haviam sido de 3,6% e 1,0%.

Este comportamento dos indicadores é consistente com o período de confinamento decretado no período em análise, que condicionou fortemente a atividade de construção.

Já no que toca a emprego e remunerações, os índices mostram comportamentos diferentes. O índice de emprego no sector caiu 0,7% em comparação com fevereiro de 2020, depois de ter apresentado uma variação nula em janeiro, enquanto que o de remunerações cresceu 0,6%, um resultado próximo dos 0,5% registados em janeiro.

Numa análise em cadeia, a nota do INE destaca ainda o aumento do índice de remunerações, que apresentou uma taxa de variação mensal de 3,1%. Em janeiro, este indicador havia variado 2,9% em relação ao mês anterior. Já o índice de emprego manteve-se estável em termos mensais, depois de crescer 0,7% em janeiro.

Recomendadas

Comissão Europeia projeta défice de 4,7% para Portugal em 2021, acima da previsão do Governo

Bruxelas atualizou as suas previsões económicas para 2021, antecipando agora um cenário ligeiramente distinto do elaborado em outubro, quando o défice era visto a chegar aos 4,5% do PIB e a dívida pública a atingir 130,3%. No Plano de Estabilidade apresentado em abril, o Governo inscreveu um défice de 4,5% e um rácio de dívida pública de 128%.

Bruxelas vê a economia portuguesa a expandir 3,9% este ano e a acelerar 5,1% em 2022

A projeção compara com os 4,1% previstos por Bruxelas em fevereiro, e com a expansão de 4% que Governo inscreveu no Plano de Estabilidade. A Comissão Europeia vê a economia a crescer 5,1% em 2022, mas salienta que os riscos permanecem inclinados para o lado negativo devido à elevada dependência do turismo estrangeiro.

Bruxelas divulga previsões económicas da primavera ainda em cenário de pandemia

Relativamente a Portugal, a Comissão antecipava em fevereiro passado um crescimento do PIB no corrente ano de 4,1% – uma forte revisão em baixa face às projeções de novembro do ano passado, de 5,4% -, tendo, em contrapartida, revisto em alta a expectativa de crescimento para 2022, de 3,5 para 4,3%.
Comentários