Produção no setor da construção cresce mais em Portugal do que na UE em junho

Em junho deste ano em comparação com o mês homólogo do ano passado, a produção média no setor da construção subiu 1% na zona euro e 0,6% na UE. Em Portugal, a subida foi maior, de 1,4%.

A produção média no setor da construção cresceu 1,4% em Portugal em junho em comparação com o mesmo mês de 2018, mais do que a média da zona euro e da União Europeia (UE), segundo o Eurostat.

Dados divulgados esta terça-feira pelo gabinete de estatísticas comunitário revelam que, em junho deste ano em comparação com o mês homólogo do ano passado, a produção média no setor da construção subiu 1% na zona euro e 0,6% na UE. Em Portugal, a subida foi maior, de 1,4%.

Tendência diferente verificou-se na comparação em cadeia, já que, relativamente a maio deste ano, a produção média no setor da construção registou em junho uma queda de 1,4% em Portugal, estabilizando na zona euro e descendo 0,3% na UE.

Ainda em termos mensais, Portugal destaca-se por ser um dos países com maiores descidas, a seguir à Eslovénia (-6,7%) e à Roménia (-2,8%). Em sentido inverso, as maiores subidas mensais registaram-se na Hungria (+1,7%), França (+1,2%) e República Checa (+1,0%).

Já em termos homólogos, a acompanhar a subida na produção no setor da construção estiveram Estados-membros como a Roménia (+23,3%), a Hungria (+20,2%) e a Eslovénia (+5,5%), onde se verificaram os maiores aumentos, enquanto as maiores baixas foram registadas na Eslováquia (-2,1%), Reino Unido (-2,0%) e Suécia (-0,9%).

Recomendadas

Agência do Ambiente deverá dar hoje ‘luz verde’ ao aeroporto do Montijo

O Governo tem estado a apostar as fichas todas na viabilização ambiental deste projeto, mas não se sabe qual será o impacto das queixas já apresentadas na justiça portuguesa e comunitária para impedir o avanço deste empreendimento.

Reutilização de recursos em queda. Economia mundial é apenas 8,6% circular

A quantidade total de recursos que entra na economia global aumentou 8,4% em apenas dois anos. De acordo com o novo relatório da organização Circle Economy, que será apresentado em Davos, o consumo mundial de novos recursos traduz-se em 100 mil milhões de toneladas, um novo máximo histórico.

Emprego com remuneração insuficiente afeta quase 500 milhões de pessoas

Quase 500 milhões de pessoas no mundo trabalham menos horas pagas do que gostariam ou não têm acesso a um emprego suficientemente remunerado, de acordo com um relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgado hoje.
Comentários