Produção no setor da construção cresce mais em Portugal do que na UE em junho

Em junho deste ano em comparação com o mês homólogo do ano passado, a produção média no setor da construção subiu 1% na zona euro e 0,6% na UE. Em Portugal, a subida foi maior, de 1,4%.

A produção média no setor da construção cresceu 1,4% em Portugal em junho em comparação com o mesmo mês de 2018, mais do que a média da zona euro e da União Europeia (UE), segundo o Eurostat.

Dados divulgados esta terça-feira pelo gabinete de estatísticas comunitário revelam que, em junho deste ano em comparação com o mês homólogo do ano passado, a produção média no setor da construção subiu 1% na zona euro e 0,6% na UE. Em Portugal, a subida foi maior, de 1,4%.

Tendência diferente verificou-se na comparação em cadeia, já que, relativamente a maio deste ano, a produção média no setor da construção registou em junho uma queda de 1,4% em Portugal, estabilizando na zona euro e descendo 0,3% na UE.

Ainda em termos mensais, Portugal destaca-se por ser um dos países com maiores descidas, a seguir à Eslovénia (-6,7%) e à Roménia (-2,8%). Em sentido inverso, as maiores subidas mensais registaram-se na Hungria (+1,7%), França (+1,2%) e República Checa (+1,0%).

Já em termos homólogos, a acompanhar a subida na produção no setor da construção estiveram Estados-membros como a Roménia (+23,3%), a Hungria (+20,2%) e a Eslovénia (+5,5%), onde se verificaram os maiores aumentos, enquanto as maiores baixas foram registadas na Eslováquia (-2,1%), Reino Unido (-2,0%) e Suécia (-0,9%).

Recomendadas

Movimento cívico alerta para consequências da exploração de lítio na Serra d’Arga

A ação, promovida pelo Movimento de Defesa do Ambiente e Património do Alto Minho, pretende sensibilizar para a “calamidade da exploração mineira massiva” na serra d’Arga e “parar” um projeto que “põe em causa 20%” daquele território.
greve_motoristas_materias_perigosas_camionistas_3

Fisco suaviza regras da tributação autónoma das ajudas de custo pagas por transportadoras

Numa informação vinculativa agora publicada, a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) precisa que “sendo tais gastos [as ajudas de custo] efetivamente faturados aos clientes (ainda que por inclusão no montante total debitado) não ficam sujeitos à tributação autónoma”, prevista no Código do IRC.

Aluguer de quartos: preços médios sobem mas procura não se ressente

“Este estudo aponta uma tendência clara: apesar da notória subida do preço médio dos quartos para arrendar, a procura não parece ressentir-se. Antes pelo contrário”, sublinha Andreia Pacheco, brand manager do OLX Portugal.
Comentários