Produção total de petróleo da Arábia Saudita é retomada até final do mês

O ministro da Energia da Arábia Saudita, Abdulaziz bin Salman, disse, esta terça-feira, em conferência de imprensa, que a produção total de petróleo no país será retomada até ao final de setembro.

Em conferência de imprensa, o ministro saudita afirmou também que 50% da produção de petróleo cortada devido a um ataque ao maior campo petrolífero do país, no sábado, já foi restabelecida.

O ministro adiantou também que, até ao final do mês, a capacidade de produção diária do país será de 11 milhões de barris, quando antes do ataque a cifra se situava em 9,6 milhões.

Abdulaziz bin Salman manifestou também a vontade de que a produção chegue aos 12 milhões de barris por dia até novembro.

O ministro afirmou ainda que a Aramco, empresa afetada, conseguiu “controlar os danos” e compensar a diminuição de produção nas estruturas afetadas através de aumentos de produção noutros campos petrolíferos.

“As exportações do reino não vão diminuir”, assegurou o ministro Abdulaziz bin Salman, também membro da família real saudita.

Na mesma conferência de imprensa, o presidente executivo da Aramco, Amin al Nasser, disse também que o campo de Abqaiq, afetado pelos ataques, continuou a produzir diariamente dois milhões de barris de crude.

Yassir al-Roumayyan, outro responsável da Aramco, referiu ainda que os planos de entrada da empresa em bolsa se irão manter.

O ataque de sábado ao maior campo petrolífero do mundo, na Arábia Saudita, reivindicado pelos rebeldes Huthis do Iémen, atingiu a produção de 5,7 milhões de barris de petróleo por dia no país, o equivalente a 5% da produção diária mundial.

Na segunda-feira, os preços do petróleo subiram 14%, a maior subida diária em anos, tendo hoje já registado uma diminuição.

Ler mais
Relacionadas

Preço do petróleo: o efeito colateral de uma guerra de potências

Irão e Arábia Saudita querem ascender à posição de potência regional. Os Estados Unidos e a sua política de amizades são uma interferência tradicional num conflito onde há um terceiro interessado: a Turquia. Os clientes do petróleo é que pagam.

Estados Unidos estão a preparar resposta a “ataque sem precedentes” na Arábia Saudita

O secretário de Defesa norte-americano afirmou que conversou com o príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman.

Quem são os houthis, o grupo por trás do ataque ao petróleo saudita?

O conflito no Iémen radica em 14 séculos de afastamento entre sunitas e xiitas – mas é de petróleo que, centenas e centenas de anos depois do início dos desentendimentos com a Arábia Saudita, se está a falar.
Recomendadas

Bolsa nacional acompanha Europa, dominada pelo tema Brexit

Em Lisboa, há quinze empresas cotadas a negociar em alta, uma em baixa e duas sem variação.

Brexit, uma história interminável

O mercado está agora numa fase de algum risco acrescido, que a época de resultados não tem conseguido amenizar, até porque as empresas não fazem milagres e o ambiente económico é hoje bem mais desafiante do que há um ano

Topo da agenda: tudo o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

A reunião do BCE esta quinta-feira será a última do mandato de Mario Draghi, numa semana na qual a incerteza sobre o Brexit irá continuar. A época de resultados chega ao PSI 20, com a Galp e a Jerónimo Martins a divulgarem números do terceiro trimestre.
Comentários