Produtividade em debate na SEDES. Assista à conversa com o economista Fernando Alexandre

Sessão de ‘fim de tarde na SEDES com quem sabe’, será uma conversa com Fernando Alexandre sobre “Produtividade”.

Relacionadas
Fernando Alexandre

Fernando Alexandre: “Vamos precisar de excedentes durante muitos anos para pagarmos a dívida”

O economista considera que num contexto de desaceleração da economia mundial, o cenário macroeconómico traçado no Orçamento do Estado para 2020 “é cauteloso” e “protege a economia portuguesa”.
Fernando Alexandre

Fernando Alexandre: “O país não tem solução sem imigração”

O economista explicou que entre 2010 e 2018 a população portuguesa diminuiu 3%, com o envelhecimento a colocar vários desafios à economia portuguesa.
Fernando Alexandre

Fernando Alexandre: “Não há nada que represente mais a debilidade das instituições portuguesas do que o valor da dívida”

O economista defendeu que o elevado endividamento de uma economia reflete problemas de gestão e governação pública e privada, “o insuficiente conhecimento” de vantagens competitivas ou “da incapacidade de antecipar” riscos e falta de visão a longo prazo.
Fernando Alexandre

Fernando Alexandre: “Por hora, um belga gera o dobro do valor que um português em Portugal”

Numa conferência sobre produtividade, organizada pela SEDES – Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Social, o economista explicou que “um português produz por hora de trabalho 65% do que produz um europeu médio”.
Recomendadas

“China? Não se sabe quando é que as fábricas voltam à produção a 100%”

Nuno Sousa Pereira, head of investments da Sixty Degrees, esteve na última edição do ‘Mercados em Ação’, vê paralelo na forma como os mercados reagem ao coronavírus tal como aconteceu com a crise do SARS. “Não sabemos quantas fábricas estão afetadas”, realça Nuno Sousa Pereira.

“Aumento salarial? Menos de 2,7% é inaceitável”, avisa secretário-geral da UGT

Sobre o acordo de concertação social, Carlos Silva diz nesta entrevista à Antena 1 e Jornal de Negócios que a UGT não abdica, nem cede, na existência do patamar mínimo de 2,7% de aumento salarial. Sendo que, se a UGT não estiver disponível para fazer acordos, dificilmente haverá um acordo de concertação social.

“Patrões conseguiram o que queriam no OE, vamos negociar o quê?”, lamenta secretário-geral da UGT

Se os patrões não cederem em matérias como salários, férias e contratação coletiva, a UGT vai defender a revisão do Código de Trabalho e “deixar cair a caducidade e introduzir o princípio do tratamento mais favorável”, referiu Carlos Silva, secretário-geral da UGT, em entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios.
Comentários