Produtores defendem solução articulação com Açores e Espanha para preço do leite

A Associação dos Produtores de Leite em Portugal diz que é necessário reunir a produção, a indústria, e a distribuição, no sentido “dos mais fortes não caírem na tentação de tentar-se salvar-se, deixando a produção afundar-se em preços baixos” e para que seja possível “subir o preço do leite para um nível justo”.

Os produtores apelaram ao Governo de Portugal para que tome uma posição e articule com os Açores e Espanha uma solução para a crise do preço baixo do leite.

De acordo com a Associação dos Produtores de Leite de Portugal (APROLEP), é preciso chamar à mesa da negociação a produção, a indústria e a distribuição, para que “os mais fortes não caiam na tentação de tentar salvar-se, deixando a produção afundar-se em preços baixos e para que seja rapidamente possível subir o preço do leite ao produtor até um nível justo”.

A APROLEP refere também, em comunicado, que os produtores de leite em Portugal continental foram “ao longo dos últimos anos vítimas de preços baixos e limitações à produção” impostos e justificados, por parte da indústria, com o mercado espanhol e com o leite vindo dos Açores.

Os dados disponibilizados pela Comissão Europeia através do Observatório Europeu do Leite permitiram saber que os produtores de leite portugueses terminaram o ano passado com um preço médio de 31,8 cêntimos por quilograma (kg) de leite, cerca de 4,0 cêntimos abaixo da média comunitária.

Já os produtores de leite em Espanha tiveram ao longo de 2018, tal como em anos anteriores, um preço ligeiramente superior ao de Portugal, mas sempre abaixo da média comunitária.

No comunicado, a APROLEP explica refere que Espanha “adotou agora” a rotulagem obrigatória da origem do leite e produtos lácteos, prática que Portugal tornou obrigatória já em 2018.

E prossegue: “No seguimento dessa nova legislação, cremos que foram muito oportunas as palavras do ministro da Agricultura, Pescas e Alimentação de Espanha, Luis Planas, que pediu à indústria para ‘refletir sobre o preço que recebem os produtores de leite para que possam também beneficiar da subida registada na Europa’”.

Salienta que o governante espanhol afirmou ainda que “a evolução do mercado europeu está a ser favorável”, lembrando que das 350.000 toneladas de leite em pó que estavam armazenadas para intervenção, apenas restam 4.000, “uma demonstração de que as coisas estão bem no mercado europeu e que existe estabilidade e boa remuneração para os produtores de leite na União Europeia”.

Relembra também que Luis Planas se mostrou “surpreendido” por não ver “a melhoria da Europa transferida” para o mercado local, pelo que o governante espanhol “pediu a todos os intervenientes” no setor leiteiro para darem “um passo em frente”, porque “os produtores merecem uma remuneração justa e estável para o seu trabalho”.

A APROLEP sustenta que o preço médio do leite em Portugal tem sido também consequência do baixo preço pago aos produtores açorianos, daí que se associe ao presidente da Federação Agrícola dos Açores, Jorge Rita, que, segundo o comunicado, defendeu recentemente ser “uma obrigação ‘garantir a subida do preço de leite à produção’”.

Além disso, a APROLEP registou ainda positivamente as palavras do secretário regional da Agricultura e Florestas dos Açores, João Ponte, que anunciou uma iniciativa para “dialogar e articular posições com a produção e a indústria sobre os laticínios, com vista a uma maior valorização da matéria-prima, dos produtos e do desenvolvimento desta fileira”, bem como do presidente do Governo Regional, Vasco Cordeiro, que diz “não haver alternativa ao entendimento” entre a produção, transformação e comercialização e que sustenta ser um “erro crasso” para qualquer destes parceiros pensar que, “salvando-se a si, deixando cair os outros, pode triunfar”.

Ler mais
Recomendadas

PS considera que resolução das perdas de água deve ser prioridade nos investimentos regionais

O PS vai propor ao Governo que estabeleça contratos-programa com as autarquias que não pertençam à ARM, para apoio na recuperação e substituição de redes de água. Os socialistas consideram que o executivo tem não tem vontade política de fazer uma parceria estratégica com estes municípios, “criando sinergias e combatendo as perdas de água com mais investimento e atingindo as metas necessárias em menos tempo”.

CDS-PP quer que Cartão Eco Funchal sirva para obter descontos na fatura da água

“Ora passou 2017, 2018, 2019, vamos para 2020 e essa proposta ainda não foi executada pelo Município do Funchal. Por isso mesmo quem diz que é defensor da melhoria da qualidade de vida das pessoas está a fazer ao contrário”, salientou Gonçalo Pimenta.

PremiumAITRAM quer legislação própria na Região para combater concorrência ao táxi

A partir de janeiro vai ser lançada uma plataforma desenvolvida pela AITRAM para a distribuição dos serviços de transporte de doentes.
Comentários