Professores desconvocam a greve às avaliações

Mário Nogueira referiu que a reivindicação do tempo de serviço na íntegra “é um processo de luta, não é um momento” e que as organizações sindicais “estão confiantes” de que irão atingir o objetivo.

Os sindicatos de professores decidiram não avançar com uma greve às avaliações do terceiro período, optando por ações de visibilidade nas ruas, tendo início já na campanha para as europeias, e ações em tribunal.

A decisão dos sindicatos consta de uma declaração conjunta das dez estruturas sindicais entregue aos jornalistas numa conferência de imprensa esta quarta-feira, em Lisboa.

O secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira, disse que a reivindicação do tempo de serviço na íntegra “é um processo de luta, não é um momento” e que as organizações sindicais “estão confiantes” que irão atingir o objetivo na fase de luta que agora se inicia.

De acordo com o sindicalista, os dez sindicatos dos professores vão iniciar a sua campanha, comparando-se aos partidos que estão na estrada a fazer campanha eleitoral para as europeias. A campanha de “comícios de indignação” tem início no Porto, no próximo dia 20.

Seguem-lhe, então, protestos em Faro no dia 21 e Lisboa no dia 22. Os protestos chegam a Évora no dia 23 e a Coimbra no dia 24. Mário Nogueira defendeu que a luta pela contagem do tempo de serviço integral “não acabou”, e reconheceu que os docentes se têm “aproximado mais” do objetivo dos nove anos, quatro meses e dois dias.

Recomendadas

150 mil portugueses poderão ser afetados pela subida do mar

Estas projeções até 2050 revelam que Setúbal, Faro e Aveiro são as zonas de maior risco.

Se o mundo vivesse como os portugueses os recursos naturais acabavam hoje

Segundo o relatório, da responsabilidade das organizações ambientalistas internacionais World Wildlife Fund (WWF, Fundo Mundial para a Natureza) e Global Footprint Network, o dia 10 de maio foi a data em que os Europeus viram esgotado o seu orçamento natural anual, se todos consumissem como a média europeia.

As cidades com os táxis mais caros (e mais baratos) do mundo

O Deutsche Bank fez uma pesquisa onde elenca 55 cidades e os respetivos preços médios para utilizar o táxi. Lisboa está em 34.º lugar de uma lista que coloca Zurique no primeiro lugar e Amesterdão em segundo.
Comentários