Professores desconvocam a greve às avaliações

Mário Nogueira referiu que a reivindicação do tempo de serviço na íntegra “é um processo de luta, não é um momento” e que as organizações sindicais “estão confiantes” de que irão atingir o objetivo.

Os sindicatos de professores decidiram não avançar com uma greve às avaliações do terceiro período, optando por ações de visibilidade nas ruas, tendo início já na campanha para as europeias, e ações em tribunal.

A decisão dos sindicatos consta de uma declaração conjunta das dez estruturas sindicais entregue aos jornalistas numa conferência de imprensa esta quarta-feira, em Lisboa.

O secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira, disse que a reivindicação do tempo de serviço na íntegra “é um processo de luta, não é um momento” e que as organizações sindicais “estão confiantes” que irão atingir o objetivo na fase de luta que agora se inicia.

De acordo com o sindicalista, os dez sindicatos dos professores vão iniciar a sua campanha, comparando-se aos partidos que estão na estrada a fazer campanha eleitoral para as europeias. A campanha de “comícios de indignação” tem início no Porto, no próximo dia 20.

Seguem-lhe, então, protestos em Faro no dia 21 e Lisboa no dia 22. Os protestos chegam a Évora no dia 23 e a Coimbra no dia 24. Mário Nogueira defendeu que a luta pela contagem do tempo de serviço integral “não acabou”, e reconheceu que os docentes se têm “aproximado mais” do objetivo dos nove anos, quatro meses e dois dias.

Recomendadas

GNR deteve 37 pessoas em operações em todo o país

Foram detidas 19 pessoas por condução sob o efeito do álcool, nove por tráfico de estupefacientes, sete por condução sem habilitação legal e uma por posse de arma proibida.

ASAE fiscaliza mais de 200 apoios de praia e instaura dois processos-crime

Operação foi dirigida aos estabelecimentos e bancas de venda ambulante que se encontram junto a praias de norte a sul do país, tendo sido instaurados dois processos-crime por usurpação e venda ou ocultação de produtos contrafeitos e 65 processos de contraordenação.

Fisco vai ter acesso a dados de passageiros aéreos

A mega-base de dados ainda não está em funcionamento, mas o Gabinete de de Informação de Passageiros, que irá tratar a informação, já está a ser instalado. Finanças juntam-se à PJ, PSP, GNR e Serviço de Estrangeiros e Fronteiras no acesso à informação.
Comentários