Programa Atrair com 221,4 milhões de incentivos públicos a investimentos nas regiões dos incêndios

Linha para atrair investimento a territórios afetados pelos incêndios de 2017 potencia criação de 2.285 empregos nos territórios afetados pelos fogos do ano passado. Elevado número de candidaturas apresentadas ao Programa Atrair obrigou Governo a duplicar montantes de financiamento. Vão ser apoiados 111 projetos, com investimentos de 490 milhões de euros.

O programa Atrair, criado em novembro do ano passado com uma dotação de 100 milhões de euros, registou um total de 221,4 milhões de euros em incentivos públicos para chamar novos investimentos para as regiões afetadas pelos incêndios de 2017. O investimento total aprovado foi de 398,9 milhões de euros, revela o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques que apresentou nesta segunda-feira, 22 de outubro os resultados deste programa, cuja elevada adesão levou a duplicar o incentivo previsto para os 198 milhões de euros.

Os resultados do programa foram apresentados em Castelo de Paiva, numa cerimónia que contou com a presença do ministro do Planeamento e das Infraestruturas e do secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nelson de Souza.

As candidaturas ao programa Atrair dividiram-se entre o SI Inovação (Sistema de apoio ao investimento produtivo e dirigido para investimentos com maior intensidade em capital fixo) e o SI2E (Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo e ao Emprego).

No primeiro, segundo o Executivo, foram aprovados 111 projetos com um investimento de 358,3 milhões de euros e um incentivo público de 198 milhões de euros que prevê a criação de 2.285 postos de trabalho. No segundo, foram já aprovados 298 projetos que representam um investimento de 40,6 milhões de euros e um incentivo público de 23,4 milhões de euros.

Uma nota do gabinete do secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão refere que os projetos apoiados pelo SI Inovação têm previsto um acréscimo anual de exportações na ordem dos 264 milhões de euros e que “a concretização do Atrair irá permitir melhorar o padrão de especialização produtiva das regiões em que o investimento vai ser efetuado”.

 Complementação do Programa Repor

O Executivo recorda que o programa Atrair é o segundo passo do plano de políticas públicas de recuperação económica dos territórios afetados pelos incêndios de 2017 e surge depois do programa Repor, criado para recuperar o potencial produtivo nas empresas diretamente afetadas, total ou parcialmente, pelos incêndios.

Neste programa, foram apoiadas 278 empresas, num investimento total aprovado de 116 milhões de euros e com 74 milhões de euros de incentivos públicos, permitindo a manutenção de 3.335 postos de trabalho.

No conjunto dos dois programas, foram apoiadas 677 empresas, num investimento total aprovado de 515 milhões de euros e com 295 milhões de euros de incentivos públicos, permitindo a manutenção e criação de um total de 6.223 postos de trabalho.

Recomendadas

Eletricidade. Desde 2009 que o valor da dívida tarifária não era tão baixo

A dívida vai afundar mil milhões em 2022, a maior descida registada desde 2008.

“Apoios de nove milhões foram cruciais para minimizar prejuízos”, revela presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto

“Esses apoios foram cruciais para, de alguma forma, minimizar aquilo que poderiam ser os prejuízos dos agricultores na venda das suas uvas”, revela Gilberto Igrejas. “Foram nove milhões de euros, na Região Demarcada do Douro, muito importantes para que o tecido produtivo não tivesse quebras superiores”, assegura o presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), na edição do podcast “Conversas com Norte” que irá para o ar na próxima segunda-feira.

CGTP considera medidas na proposta de OE2022 insuficientes

A intersindical reconhece o mérito do desdobramento dos escalões do IRS, mas considera esta medida “manifestamente insuficiente” e pede mais rasgo no combate ao “modelo de precariedade” que vigora em Portugal.
Comentários