Programa europeu de inovação e empreendedorismo arranca esta segunda-feira na Nova SBE

Doentes e cuidadores criam e desenvolvem soluções inovadoras para lidar com uma condição de saúde pessoal. O Patient Innovation Bootcamp ajuda-os a passar da ideia à solução. O JE dá a conhecer os novos projetos.

Arranca esta segunda-feira, 31 de agosto, no ‘campus’ da Nova SBE em Carcavelos, o Patient Innovation Bootcamp, programa europeu de inovação e empreendedorismo dirigido a doentes e cuidadores que desenvolveram uma solução inovadora para lidar com uma condição de saúde pessoal. Carlos Moedas, antigo comissário europeu da Inovação, Daniel Traça, dean da NovaSBE, e Nikolaj Malchow-Møller, presidente da Copenhagen Business School participam na abertura do programa em solo português.

Organizado por um consórcio europeu que envolve instituições portuguesas, espanholas, dinamarquesas e suecas – Copenhagen Business School, IESE Business School, Imperial College, Lund University e Nova SBE, o Patient Innovation Bootcamp desenvolve-se em Lisboa, Barcelona e Copenhaga.

Pedro Oliveira, pai desta inovação nascida em Portugal, hoje uma organização verdadeiramente global, diz ao Jornal Económico que “é notável o ‘bootcamp’ ter despertado o interesse de algumas das melhores universidades europeias e mundiais nas áreas de negócios, saúde e tecnologia e merecido o apoio financeiro do EIT Health, o principal consórcio europeu na área da saúde, que junta hoje mas de 150 das principais empresas e universidades”. Além disso, acrescenta, o ‘bootcamp’ tem um carácter verdadeiramente inovador, pois “é a primeira vez que o foco é em inovações que surgem pelos próprios doentes e cuidadores de forma a lidarem com um problema criado pela sua própria doença.”

O Patient Innovation Bootcamp junta 11 equipas constituídas por empreendedores de 11 países europeus, no total de várias dezenas de participantes, uma vez que envolve sempre a participação de, pelo menos, um paciente ou cuidador informal, que será o líder empresarial, um líder clínico e um líder técnico. Já as inovações podem incluir desde diagnósticos, dispositivos vestíveis, tele-saúde, telemedicina, ‘big data’, ‘apps’, registos eletrónicos de saúde, tecnologia da informação em saúde, medicina personalizada, entre outros.

Durante os cinco dias em Carcavelos, na que é a primeira de três semanas imersivas deste Bootcamp de inovação, os participantes são desafiados a desenvolver os aspetos médicos, regulatórios e tecnológicos das suas inovações com o apoio de especialistas da Patient Innovation, NOVA Medical School, NOVA SBE e Glintt. Esta é a fase da validação médica e tecnológica em que é avaliada a adequação problema-solução e solução-mercado, especificamente para o mercado de saúde.

Na Catalunha, entre 14 e 18 de setembro, o ‘bootcamp’ assume o registo e-learning e foco na validação do modelo de negócio. Esta é a fase em que, com o apoio do IESE e Biocat, as equipas desenvolvem o seu modelo de negócio e investigarão o potencial de mercado da sua solução.

Por fim, em Outubro, em Copenhaga, as equipas apresentam a sua inovação num ecossistema empreendedor com o objetivo de fazer chegar os produtos ao mercado.

Em novembro todas as equipas participarão no EIT Health Bootcamp Tour, que consiste em dois eventos onde todos os participantes do ‘bootcamp’ participam em diferentes workshops e momentos de ‘networking’.

Durante o treino imersivo, as equipas são acompanhadas por cinco mentores com conhecimentos na área de criação de soluções médicas e de introdução dessas soluções no mercado.

 

Inovações do Patient Innovation Bootcamp 2020

AlfredOstomy – Uma plataforma que integra dispositivos inteligentes para ajudar na gestão diária de doentes que vivem com sacos de ostomia ou outros sacos médicos.

AppDermis – Uma aplicação móvel desenhada para ajudar doentes com eczema a gerir a sua doença

Biel Glasses – Óculos inteligentes que fazem recurso a tecnologias de visão 3D e IA para melhorar a mobilidade e autonomia de pessoas com perda de visão

CF Hero – Aplicação móvel que usa estratégias de gamificação para apoiar crianças e adolescentes com Fibrose Cística.

Happyr Health – Aplicação móvel que, com recurso a técnicas de Terapia Cognitiva Comportamental, auxilia crianças que sofrem de enxaquecas.

Heuristik – Software de gestão de pacientes que permite uma identificação inequívoca dos doentes.

On Wheels – Aplicação móvel que agrega informação sobre as condições de acessibilidade de estabelecimentos e locais público, para pessoas com mobilidade reduzida.

Pheal – Solução que combina dispositivos e plataformas digitais para permitir uma monitorização preventiva de doentes com Fibrose Cística.

StepUp Health – Dispositivo vestível inteligente, conectado a uma aplicação móvel, que permite uma monitorização de pacientes com asma ou alergias respiratórias.

UV Respiratory Mask – Máscara de proteção que combina matérias antibacterianos e tecnologia UVC-LED

WeWALK – Adaptador inteligente para bengalas brancas que permite a identificação de obstáculos e possui um sistema de navegação, para invisuais

Ler mais
Recomendadas

Portugal regista mais 665 novos casos confirmados e nove mortos por Covid-19 nas últimas 24 horas

Segundo o boletim epidemiológico divulgado este domingo, 27 de setembro, cinco vítimas são na Região de Lisboa e Vale do Tejo, duas no Norte e outras duas no Centro. Há, neste momento, 635 internados, dos quais 89 em Unidades de Cuidados Intensivos.

Portugal tratou 8.344 doentes dos PALOP em quatro anos. Cabo Verde é o segundo com mais transferências médicas

As especialidades mais procuradas são a cardiologia, a oncologia, a oftalmologia, a pediatria, a urologia, a otorrinolaringologia, a cirurgia geral e cirurgia pediátrica, a ortopedia e a neurocirurgia. Em 2019, Angola enviou 46 doentes, Cabo Verde 619, a Guiné-Bissau 681, Moçambique 35 e São Tomé e Príncipe 234.

Arranca esta segunda-feira a primeira fase de vacinação contra a gripe

A primeira fase vai contar com cerca de 350 mil doses de vacina, que se destinam aos profissionais de saúde que prestam serviços ao público, grávidas e idosos residentes em lares.
Comentários