Programa “Regressar” só atraiu 71 emigrantes, apesar do Governo prometer 6,5 mil euros em apoios

Apoio ao Regresso de Emigrantes a Portugal do Programa Regressar estimava cerca de 1.500 candidaturas. Apesar dos cerca de mil pedidos de esclarecimento, o programa do Governo de António Costa não conseguiu angariar emigrantes suficientes.

Um mês depois da abertura das candidaturas, o Apoio ao Regresso de Emigrantes a Portugal do Programa Regressar lançado pelo executivo de António Costa, somou 71 candidaturas, apesar de prometer a atribuição até 6536,40 euros aos emigrantes que regressarem a Portugal.

Este é o mais recente balanço do programa que entrou em vigor a 22 de julho e que, por ter um financiamento de 10 milhões euros, levou o Governo a estimar um universo potencial de 1500 beneficiários no ano de 2019, de acordo com o jornal Público, esta quinta-feira.

O Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social refere que foram recebidos cerca de “mil pedidos de esclarecimento através dos vários meios de contacto” para esta iniciativa, não desvalorizando, para já, o reduzido número de candidaturas entregues.

O Programa Regressar prevê a atribuição que pode subir até aos 6536,40 euros, a serem pagos pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP). Esse valor divide-se entre um “subsídio de regresso” (2.614,56 euros, aos quais acrescem 10% por cada membro da família que acompanhe o titular da candidatura), os custos da viagem (até 1.307 euros), o transporte de bens (871,52 euros) e 436,76 para o reconhecimento de capacidades académicas ou profissionais.

A iniciativa vê ainda a redução da tributação em 50% dos rendimentos do trabalho, seja para trabalho dependente ou para rendimentos empresariais e profissionais, durante um período de cinco anos aos migrantes que decidam voltar ao país.

As candidaturas aos apoio ao regresso podem ser feitas no site do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP). O Governo lançou ainda um portal online, onde podem ser consultadas as condições exigidas para os requerentes e os termos do programa e dos apoios previstos. Estão ainda disponíveis as linhas de apoio: 300 088 000 ou 965 723 280 (para WhatsApp ou Skype). Para este programa são elegíveis todos os emigrantes que tenham saído de Portugal até 31 de dezembro 2015 e que iniciem ou tenham iniciado atividade laboral no país entre 1 de janeiro de janeiro de 2019 e até 31 de dezembro de 2020.

 

Relacionadas

Programa Regressar: Governo prevê apoiar o regresso de três mil emigrantes este ano

As candidaturas ao programa abriram esta segunda-feira, estando previstos no Orçamento de Estado para este ano 10 milhões de euros para apoio do regresso dos profissionais portugueses e familiares.

Respostas Rápidas: Como podem os emigrantes ser ajudados no regresso a Portugal

O Governo lançou esta segunda-feira um programa de apoio ao regresso dos trabalhadores portugueses que emigraram para o estrangeiro e que querem regressar ao país. O programa prevê apoios que podem chegar aos 6.536 euros.

Programa Regressar: Emigrantes já se podem candidatar ao programa de apoio ao regresso

As ajudas financeiras podem, em alguns casos, chegar aos 6.536 euros e os cidadãos portugueses residentes no estrangeiro serão auxiliados na procura de emprego em Portugal, assegurando “um ingresso mais rápido no mercado de trabalho”. 
Recomendadas

PS insiste que negociações do Orçamento do Estado para 2022 devem continuar na especialidade

José Luís Carneiro reforçou a intenção do PS em “apreciar as propostas” dos parceiros, mas com o propósito de “encontrar os pontos de equilíbrio e de bom senso”, na última das audiências que o Presidente da República manteve com os partidos nesta sexta-feira.

Catarina Martins sinaliza que “só não há um OE se o Governo não quiser”

A líder bloquista exemplificou algumas das áreas nas quais quer ver avanços no documento de OE, como o SNS ou as “longas carreiras contributivas”, esclarecendo ainda que “não se prende por questões formais”, pretendendo apenas “redações exatas das leis”.
Nuno Melo e Francisco

Nuno Melo abre e Rodrigues dos Santos encerra escola de quadros da Juventude Popular

Atual líder centrista e o eurodeputado que pretende ser o próximo presidente do partido não se irão cruzar no hotel de Portimão onde decorre uma ação de formação que conta com convidados como o social-democrata Miguel Pinto Luz e o socialista Álvaro Beleza, presidente da SEDES.
Comentários