Projeto ‘Go Jelly’ representa 6 milhões de euros para a Madeira

O presidente do executivo da Madeira salientou a Região como tendo dos centros mais avançados de aquacultura do país e alertou para o perigo da monocultura referindo que é importante existir diversificação.

O presidente do executivo madeirense, Miguel Albuquerque, acompanhou esta segunda-feira o lançamento do projeto ‘Go Jelly: A Gelatinous Solution to Plastic Pollution’, que representa 6 milhões de euros de verbas ao abrigo do programa Horizonte 2020.

Albuquerque referiu que o projecto ‘Go Jelly’ é uma “investigação pioneira” em cooperação com vários países em que através das alforrecas e do material gelatinoso se pode encontrar uma solução para combater “os microorganismo plásticos” que são das principais ameaças de poluição no atlântico.

Este projeto tem também outra vertente, em que a Madeira aplica 400 mil euros, em que se aproveita as alforrecas e se transforma esses animais para fins “químicos, medicinais, ou de alimentação”, explica Albuquerque.

“Estamos a ter um crescimento exponencial na aquacultura na Madeira”, realça o governante mas no entanto alertou para não se cair “na monocultura” que pode trazer problemas a médio e longo prazo. “É fundamental existir diversificação”, reforça Albuquerque.

Recomendadas

Débito direto: fácil e vantajoso, mas …

O débito direto pode ser inativado a qualquer momento, podendo ser feito numa caixa Multibanco e assim impede futuros pagamentos. Porém, a inativação do débito direto, por si só, não se traduz na anulação de um contrato.

Cafôfo defende requalificação do produto turístico mantendo a identidade e a qualidade

“Aquilo que aqui assistimos é que o Governo Regional, infelizmente, não ouve quem está no setor e quem tem opinião e quer contribuir para a melhoria do nossos destino turístico”, afirma o candidato do PS-Madeira..

Secretário Regional de Educação frisa importância de não deixar seniores fora da evolução dos conhecimentos

Jorge Carvalho afirmou que é fundamental criar espaços onde os cidadãos, independentemente do seu contexto, idade e profissão possam estar em contexto de aprendizagem, sendo que estas universidades são um”complemento fundamental” para manter esta população ativa.
Comentários