Projeto ‘Go Jelly’ representa 6 milhões de euros para a Madeira

O presidente do executivo da Madeira salientou a Região como tendo dos centros mais avançados de aquacultura do país e alertou para o perigo da monocultura referindo que é importante existir diversificação.

O presidente do executivo madeirense, Miguel Albuquerque, acompanhou esta segunda-feira o lançamento do projeto ‘Go Jelly: A Gelatinous Solution to Plastic Pollution’, que representa 6 milhões de euros de verbas ao abrigo do programa Horizonte 2020.

Albuquerque referiu que o projecto ‘Go Jelly’ é uma “investigação pioneira” em cooperação com vários países em que através das alforrecas e do material gelatinoso se pode encontrar uma solução para combater “os microorganismo plásticos” que são das principais ameaças de poluição no atlântico.

Este projeto tem também outra vertente, em que a Madeira aplica 400 mil euros, em que se aproveita as alforrecas e se transforma esses animais para fins “químicos, medicinais, ou de alimentação”, explica Albuquerque.

“Estamos a ter um crescimento exponencial na aquacultura na Madeira”, realça o governante mas no entanto alertou para não se cair “na monocultura” que pode trazer problemas a médio e longo prazo. “É fundamental existir diversificação”, reforça Albuquerque.

Recomendadas
Créditos: Amílcar Figueira

Orçamento Regional para 2020 aprovado na generalidade

Em discussão estava também o Plano e Programa de Investimento e Despesas de Desenvolvimento da Administração da Região (PIDDAR), que foi aprovado com os votos favoráveis do PSD e do CDS, a abstenção do Partido Socialista e os votos contra do JPP e do PCP.

Prescrição de dívidas: o que deve saber

As dívidas advindas do uso de cartões de crédito, descobertos em contas à ordem ou linhas de crédito têm um prazo de prescrição de 20 anos.

Direção Clínica do SESARAM em impasse

Filomena Gonçalves também já se retirou de cena, segundo a própria revelou ao mesmo órgão de comunicação regional, devido à “passividade” do seu anterior partido (CDS), pelo qual tinha sido proposta, e por “nunca ter sido desejada pela tutela” para desempenhar aquele cargo.
Comentários