Projeto ‘Go Jelly’ representa 6 milhões de euros para a Madeira

O presidente do executivo da Madeira salientou a Região como tendo dos centros mais avançados de aquacultura do país e alertou para o perigo da monocultura referindo que é importante existir diversificação.

O presidente do executivo madeirense, Miguel Albuquerque, acompanhou esta segunda-feira o lançamento do projeto ‘Go Jelly: A Gelatinous Solution to Plastic Pollution’, que representa 6 milhões de euros de verbas ao abrigo do programa Horizonte 2020.

Albuquerque referiu que o projecto ‘Go Jelly’ é uma “investigação pioneira” em cooperação com vários países em que através das alforrecas e do material gelatinoso se pode encontrar uma solução para combater “os microorganismo plásticos” que são das principais ameaças de poluição no atlântico.

Este projeto tem também outra vertente, em que a Madeira aplica 400 mil euros, em que se aproveita as alforrecas e se transforma esses animais para fins “químicos, medicinais, ou de alimentação”, explica Albuquerque.

“Estamos a ter um crescimento exponencial na aquacultura na Madeira”, realça o governante mas no entanto alertou para não se cair “na monocultura” que pode trazer problemas a médio e longo prazo. “É fundamental existir diversificação”, reforça Albuquerque.

Recomendadas

Madeira concede mais 479,2 mil euros a instituições de ensino particulares

Do total de 479,2 mil euros de adenda aos contratos, 424,9 mil destinam-se a encargos com pessoal e 54,3 mil são para pagamento de mensalidades das famílias que sofreram alterações de rendimento. 

Madeira: Representante da República promulga quatro decretos legislativos

Entre os decretos legislativos promulgados está o que adapta à RAM o Decreto-Lei n.º 17/2018, de 8 de março, que estabelece o regime de acesso e de exercício da atividade das agências de viagens e turismo e transpôs a Diretiva (UE) 2015/2302.

Madeira encaminha 600 utentes por ano para hospitais no continente

Pedro Ramos afirmou que o “grande objetivo” é reduzir gradualmente a transferência de doentes para o continente, mas reconhece que algumas áreas e especialidades ainda são deficitárias na região.
Comentários