Projetos de ligação ferroviária aproximam Portugal e Espanha

“Estamos a executar um plano de investimentos superior a dois mil milhões de euros”, que deve “aproximar muito” as cidades portuguesas e espanholas, disse Pedro Marques, ministro português do Planeamento e das Infraestruturas.

Atualmente há três projetos internacionais muito importantes em Portugal, e que necessitam da colaboração e coordenação com Espanha: o corredor norte (ligação Aveiro-Vilar Formoso-Salamanca), o corredor sul (ligação Sines-Caia-Madrid) e a linha do Minho (Porto-Valença-Vigo), escreve a Lusa.

“A nossa primeira decisão foi que, a partir de aqui, realizaremos, com uma periocidade não superior a três meses, reuniões de trabalho entre as nossas equipas técnicas”, disse o ministro português do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, numa conferência de imprensa com o ministro espanhol do Fomento, Ínigo de la Serna, citado pela Lusa.

Estas ligações são de “enorme importância”, principalmente para o norte e o sul do país, com vista a ligar os portos portugueses (Leixões, Aveiro, Setúbal e Sines) à fronteira espanhola e à Europa.

 

Relacionadas

Pedro Marques vai a Madrid acertar calendários de investimento na ferrovia

Próxima cimeira luso-espanhola deverá realizar-se em Portugal no próximo mês de maio, em local e data a definir.
Recomendadas

Fundos ESG ainda têm muito espaço para crescer em Portugal

No ano passado, a maioria das subscrições de fundos ESG foram feitas por pessoas singulares (99,2%), segundo os dados da CMVM, que mostram que as subscrições líquidas se revelaram nos quatro últimos anos, apesar de 2020 ter apresentado uma diminuição de 75% face a 2019.

Eletricidade. Desde 2009 que o valor da dívida tarifária não era tão baixo

A dívida vai afundar mil milhões em 2022, a maior descida registada desde 2008.

“Apoios de nove milhões foram cruciais para minimizar prejuízos”, revela presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto

“Esses apoios foram cruciais para, de alguma forma, minimizar aquilo que poderiam ser os prejuízos dos agricultores na venda das suas uvas”, revela Gilberto Igrejas. “Foram nove milhões de euros, na Região Demarcada do Douro, muito importantes para que o tecido produtivo não tivesse quebras superiores”, assegura o presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), na edição do podcast “Conversas com Norte” que irá para o ar na próxima segunda-feira.
Comentários