Próximo ano letivo irá começar entre 14 e 17 de setembro, anuncia ministro da Educação

O Governo está a trabalhar “para que em setembro possa ser possível o ensino presencial e que o próximo ano letivo comece entre 14 e 17 de setembro”, explicou Tiago Brandão Rodrigues esta terça-feira.

O próximo ano letivo irá ter início entre 14 e 17 de setembro e o Governo está a preparar para que o mesmo possa acontecer de forma presencial, anunciou esta terça-feira Tiago Brandão Rodrigues, ministro da Educação.

Numa visita do primeiro-ministro, António Costa, e do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, a uma escola de Odivelas, o ministro garantiu que o Governo está a trabalhar “para que em setembro possa ser possível o ensino presencial e que o próximo ano letivo comece entre 14 e 17 de setembro”.

Sobre a preparação desse período, o ministro garantiu que há um conjunto de matérias e de trabalho para que nas primeiras cinco semanas do próximo ano letivo possa ser possível fazer o que não foi possível no atual ano letivo”.

Numa sessão presidida pelo primeiro-ministro, António Costa, Tiago Brandão Rodrigues, numa breve intervenção, defendeu que o Governo “está já a pensar no próximo ano letivo”, depois de o atual ter sido “atípico” por causa da covid-19.

“Queremos que o próximo ano letivo se inicie entre os dias 14 e 17 de setembro para que as comunidades educativas tenham tempo de se preparar. Temos todos de nos lembrar que a segunda fase de exames vai acontecer atipicamente na primeira semana de setembro”, afirmou.

De acordo com o ministro da Educação, nesta semana, por parte do Governo, haverá um diálogo com os diversos atores da educação, organizações que representam os trabalhadores, associações de diretores, confederações de pais”.

“Falaremos com todos aqueles que, juntamente connosco, trilharam este caminho difícil destes últimos meses. Queremos que o próximo ano letivo seja bem mais normal do que este. Por isso, estamos também a trabalhar com as autoridades de saúde para saber quais os pilares com que nos podemos mover”, adiantou o membro do Governo.

Na sua intervenção, o titular da pasta da Educação defendeu que tem assumido “uma ligação muito próxima com os municípios portugueses” e deixou uma palavra especial aos assistentes operacionais de todos os estabelecimentos de ensino.

“Uma vez mais com os municípios, tendo como base o programa Portugal 2020, tirámos o mapeamento do papel, tirámos as cifras das páginas de Excel e mostrámos o valor destas parecerias”, disse, estimando depois em “mais de 300 as obras” realizadas em conjunto com as autarquias.

Ler mais
Recomendadas

Regresso à normalidade no ensino superior ainda não será este ano

As instituições de ensino superior não antecipam a retoma integral do ensino presencial até ao final do ano letivo, mas esperam que o plano de desconfinamento lhes permita voltar ao ensino misto rapidamente para recuperar aulas práticas.

Professores e diretores de escolas pedem para ser consultados na elaboração do plano de desconfinamento

Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas e Federação Nacional de Professores defendem que o Governo devia adotar medidas como testagem em massa nas escolas, bem como a da priorização dos professores quanto à vacinação.

“Sentimos que a indústria reconhece o valor da Universidade enquanto parceira”

Virgílio Cruz Machado destaca a importância de produzir ciência em parceria com o tecido industrial para que Portugal possa vir a posicionar-se melhor nos mercados internacionais. A Faculdade que dirige vai adotar a designação Nova School of Science and Technology para impulsionar a internacionalização.
Comentários