PremiumPRR mais para Estado do que para empresas domina preocupações

Maioria dos membros da Associação Cristã de Empresários e Gestores aceita desconfinamento só depois da Páscoa, mas criticam apoios disponibilizados.

O Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) negociado entre o Governo e a Comissão Europeia está a causar preocupações no sector empresarial devido à concentração das suas verbas em investimento público em vez de reverter de forma direta para as empresas que foram mais afetadas pelas consequências da pandemia de Covid-19.

Segundo o barómetro de março realizado pelo Jornal Económico em parceria com a ACEGE – Associação Cristã de Empresários e Gestores e a Rádio Renascença, 91,3% dos inquiridos admitiram estar preocupados com esse problema, enquanto 6,3% indicaram o contrário.

De igual modo, a opinião dos associados da ACEGE quanto aos apoios até agora disponibilizados pelo Executivo de António Costa em resposta aos problemas causados pela pandemia é que só foram considerados acessíveis e de rápida implementação por 2,5% daqueles que responderam ao inquérito mensal.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PRR: Madeira prevê 832 ME e alerta que contratação pública pode ser “obstáculo” à execução do plano

Pedro Calado indicou que a região estima receber 832,2 milhões de euros para projetos a executar até 2026, mais 141 milhões face à primeira versão do plano, apresentada em fevereiro.

Itália: Draghi assenta Plano de Recuperação em cinco pilares distintos

Com um texto de mais de 300 páginas, o governo italiano apresentou um esboço do que poderá ser o plano de recuperação do país. O plano definitivo só será conhecido a 30 de abril.

Subida do salário mínimo? “É prematuro assumir qualquer valor como definitivo”, diz Governo

A resposta surge depois de ser noticiado um eventual aumento de 40 euros. “A definição anual da atualização do SMN segue os procedimentos habituais, sendo objeto de discussão em sede de concertação social e com as estruturas sindicais”, explicam os ministérios das Finanças, Trabalho e Administração Pública.
Comentários