“PRR na campanha autárquica? É gravíssimo e só demonstra a falta de vergonha do PS”, considera candidato da IL a Lisboa

Na última edição do programa “Primeira Pessoa, da plataforma multimédia JE TV, Bruno Horta Soares considerou “gravíssima” a entrada do Plano de Recuperação e Resiliência na campanha eleitoral, algo que no entender deste consultor, “só demonstra a falta de vergonha” dos socialistas.

O consultor Bruno Horta Soares não foi a primeira escolha da Iniciativa Liberal para a Câmara de Lisboa, mas apresenta-se às eleições de 26 de setembro com o objetivo de ser o primeiro vereador liberal na maior cidade portuguesa.

Para tal apresenta um programa que prevê cortes de impostos de 440 milhões de euros ao longo dos próximos quatro anos, promessas de modernização da autarquia e a vontade de apertar o orçamento camarário nas horas extraordinárias, contratação de avençados e subsídios às empresas municipais.

Na última edição do programa “Primeira Pessoa, da plataforma multimédia JE TV, Bruno Horta Soares considerou “gravíssima” a entrada do Plano de Recuperação e Resiliência na campanha eleitoral, algo que no entender deste consultor, “só demonstra a falta de vergonha” dos socialistas.

Relacionadas

“Ter um partido comunista e outro de extrema-esquerda a apoiar o executivo é um dano reputacional para Lisboa”. Veja o “Primeira Pessoa” com Bruno Horta Soares

Acompanhe o programa “Primeira Pessoa” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.
Recomendadas

Carlos Moedas toma posse como presidente da Câmara Municipal de Lisboa. Veja em direto

O antigo comissário europeu sucede a Fernando Medina na liderança da Câmara Municipal de Lisboa. Veja a tomada de posse em direto.

PremiumUnião fez a força para o centro-direita retirar câmaras aos socialistas

Coligações lideradas pelos sociais-democratas conquistaram mais 20 autarquias sem perder nenhuma. PSD isolado teve saldo nulo com PS.

PremiumEleições geram meia centena de imbróglios autárquicos

Porto e Sintra juntam-se às câmaras em que os vencedores estão em minoria na vereação e na assembleia municipal. Mais complicada que Lisboa talvez só mesmo Évora, e número de executivos minorítários disparou em relação a 2017.
Comentários