PS contra encerramento de posto CTT no Caniçal

O PS Madeira pede que se reverta o encerramento do posto em prol do bem-estar da população.

O PS mostra-se contra o encerramento dos postos do CTT na freguesia do Caniçal. Os socialistas pedem uma reversão desta decisão em prol do bem-estar desta população.

“Esta decisão não é nova e sabemos que, no passado, a solução encontrada para o encerramento do posto oficial dos CTT, passou pela adaptação de algumas unidades comerciais em postos improvisados e provisórios dos CTT. Contudo, o PS Madeira teve conhecimento que estas irão encerrar e deixar, uma vez mais, a população sem qualquer alternativa que não ir até à cidade de Machico”, refere Marina Barbosa, deputado do PS.

A deputada socialista diz que o encerramento deste posto no Caniçal priva a população de “conseguir realizar alguns serviços essenciais” entre os quais: levantamento das pensões e reformas, o reembolso das viagens áreas ou até mesmo o pagamento de serviços, como a água, a luz, entre outros.

Marina Barbosa pede que se tenha em conta que existem “pessoas que não conseguem se deslocar até outro posto, maioritariamente, a população mais idosa e com menos mobilidade”.

Recomendadas

Madeira: CDS preocupado com redução do Fundo das Pensões no OE2021

António Lopes da Fonseca frisou que estavam previstos 32 mil milhões de euros para este Fundo em 2040. “Com esta retirada de quase 16 mil  milhões de euros, estima-se que, nessa data, existam apenas 16 mil milhões, cerca de metade”, frisou, destacando que muitas pessoas daqui a 20 anos poderão nem ter as suas reformas.

Governo da Madeira adjudicou empréstimo de 458 milhões de euros sem aval do Estado

A Região Autónoma da Madeira foi autorizada em sede de Orçamento Suplementar do Estado a contrair um empréstimo até 10% do PIB regional de 2018 – 495 milhões de euros – para fazer face à crise provocada pela pandemia.

Securitas vai despedir 82 trabalhadores dos aeroportos de Lisboa e da Madeira

A Securitas-Transport Aviation Security informou os trabalhadores em causa da “intenção de proceder ao despedimento coletivo” e justificou o processo com a “necessidade objetiva da redução de pessoal por motivos de mercado e estruturais”.
Comentários