PremiumPS diz que Governo Regional não tem estratégia para Turismo

Os socialistas consideram que não existe uma estratégia para acompanhar o aumento da oferta hoteleira, e defendem mais rotas e promoção para a Madeira.

O líder parlamentar do PS Madeira mostra preocupação com o estado do Turismo na Madeira. Miguel Iglésias alerta para as baixas que têm existido nas dormidas, nos proveitos e na Receita por Quarto Disponível (RevPar), e com as falências de companhias aéreas em mercados como o inglês e alemão. O deputado socialista diz que o setor está “desorganizado” e que vê uma “total desorientação estratégica” da parte do Governo que “não pode” continuar.

“O Turismo passa por diversos ciclos, tivemos um de crescimento e agora estamos num período de ajustamento. Temos um problema muito sério. Não há estratégia de médio e longo prazo da parte do Governo. Não conseguimos perceber qual é o objetivo, o que queremos atingir, para onde queremos caminhar, quais as verbas e dotação, a estrutura para o turismo para ultrapassarmos esta fase e voltarmos a crescer de forma sustentável”, explica o líder parlamentar do PS Madeira.

Miguel Iglésias lembra a abertura de unidades hoteleiras que tem existido na Madeira, mas não vê um “acompanhamento político, uma estratégia que possa acompanhar este crescimento da hotelaria”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor. Edição do Económico Madeira de 8 de novembro

Recomendadas

PremiumAITRAM quer legislação própria na Região para combater concorrência ao táxi

A partir de janeiro vai ser lançada uma plataforma desenvolvida pela AITRAM para a distribuição dos serviços de transporte de doentes.

PremiumPropostas não vinculativas pela Brisa são esperadas até 19 de dezembro

O grupo José de Mello e o fundo Arcus, que controlam a maioria do capital, colocaram à venda 80% da empresa (40% cada um).

PremiumDeco alerta para dificuldades das famílias na literacia financeira

Os dados da Deco indicam que as famílias que pedem ajuda à associação possuem em média cinco créditos, e que as taxas de esforço na Madeira ultrapassam os 70%.
Comentários