PS e PSD separados por 11 pontos. Bloco regressa à terceira posição

O partido de António Costa recolhe 37,6% das intenções de voto, mantendo-se acima dos 26,5% registados pelo PSD, que se mantém com a mesma intenção de voto que em janeiro, segundo a sondagem da Aximage para a TSF/DN/JN.

Flickr/PSD

O Partido Socialista inverteu a tendência de subida dos últimos meses, tendo perdido 2 pontos percentuais em fevereiro, revela uma sondagem da Aximage para a “TSF/JN/DN”. O partido de António Costa recolhe 37,6% das intenções de voto, mantendo-se acima dos 26,5% registados pelo PSD, que se mantém com a mesma intenção de voto que em janeiro.

O Bloco de Esquerda surge em terceiro lugar com 7,7% de intenções de voto e o Chega surge a seguir com 6,5%, mantendo a tendência de queda que se tem verificado nos últimos meses. A CDU aumentou para os 5,8%, a Iniciativa Liberal deu um salto de dois pontos percentuais para 5,7% e o PAN surge com 4%. O Livre regista 1,3% das intenções de voto e o CDS assegura a última posição com 0,8%.

Apesar das intenções de voto no PS terem decrescido, António Costa recolhe 54% da confiança dos eleitores, enquanto Rui Rio acolhe 20%. Relativamente à avaliação dos líderes dos partidos, Costa lidera a lista, apesar de ter recuado, Rui Rio e João Cotrim de Figueiredo subiram e André Ventura é o líder com mais avaliações negativas.

Relacionadas

Sondagem mostra Iniciativa Liberal a subir tanto quanto o Chega desce em janeiro

Intercampus indica que a Iniciativa Liberal subiu 1,8 pontos percentuais em janeiro e João Cotrim Figueiredo foi o único líder partidário a melhorar a avaliação. PS continua muito à frente do PSD e Bloco de Esquerda volta a aparecer isolado no terceiro lugar.
Recomendadas

Orçamento dos Açores para 2021 aprovado na generalidade

O primeiro Orçamento submetido pelo Governo Regional dos Açores de coligação PSD/CDS-PP/PPM teve o voto contra do BE e do PS.

Tribunal de Contas deteta “persistentes vulnerabilidades” no combate aos incêndios rurais

Entre diversas falhas e atrasos identificados, a auditoria do Tribunal de Contas alerta que se aproxima o termo do contrato vigente em relação ao SIRESP e se antevêem alterações no modelo tecnológico e de gestão que urge definir.

Contratos para obras públicas a partir de 5 milhões vão destinar 1% para obras de arte

“Prevê-se, como regra, que 1% do preço, em contratos de valor igual ou superior a cinco milhões de euros, seja aplicado em inclusão de obras de arte nas obras públicas objeto desses contratos”, acrescenta o comunicado do Conselho de Ministros.
Comentários