PS elogia escolha de Costa e Silva para preparar programa de recuperação económica

O vice-presidente da bancada socialista Carlos Pereira considerou hoje “uma boa solução” o convite do primeiro-ministro ao gestor António Costa e Silva para preparar o programa de recuperação económica, frisando que o Governo estará sempre neste processo.

“Acho que estamos perante uma boa solução, até porque o Governo estará sempre presente no diálogo que tem de ser feito, tendo em vista encontrar-se uma solução robusta para o futuro”, declarou à agência Lusa Carlos Pereira, deputado do PS eleito pela Madeira.

No domingo, o primeiro-ministro confirmou que convidou o gestor da petrolífera Partex António Costa e Silva para “coordenar a preparação do Programa de Recuperação Económica”, trabalho que deverá estar concluído até à aprovação do Orçamento Suplementar.

Segundo o vice-presidente da bancada socialista, “o PS tem habituado o país a chamar pessoas da sociedade, tendo em vista contribuírem e colaborarem com o partido, neste caso também com o Governo, no sentido de encontrarem soluções mais consistentes”.

“Portanto, é com total naturalidade que observamos isto, porque não é um caso novo. Tendo em conta a personalidade em causa, as intervenções que faz e os desafios que temos, julgo que é relevante haver uma ponte entre a posição do Governo e a da sociedade civil de quem está fora dos partidos”, disse Carlos Pereira.

O semanário Expresso noticiou no sábado que o primeiro-ministro tinha convidado o gestor da petrolífera Partex António Costa Silva para negociar o plano de retoma da economia com ministros, e que participaria igualmente em reuniões com parceiros sociais e partidos políticos.

No sábado, o BE e o CDS-PP rejeitaram qualquer negociação com uma espécie de “paraministro”.

“O senhor primeiro-ministro é aconselhado por quem acha que pode fazer esse trabalho, é livre de o escolher. O Bloco de Esquerda, naturalmente, negoceia com membros do Governo, como fez até agora e como mandam, aliás, as regras da boa transparência da nossa democracia”, afirmou a coordenadora bloquista, Catarina Martins, salientando que “a figura de paraministro não pode existir”.

Já o CDS-PP informou que conta discutir o plano de recuperação económica do país com “Costa e Siza”, numa referência ao primeiro-ministro e ao ministro da Economia, “e não com Costa Silva”.

“Para discutir o plano de recuperação económica do país, o CDS conta reunir-se com Costa e Siza, e não com Costa Silva. O primeiro-ministro pode escolher com quem é que os seus ministros se aconselham, mas em matéria de governação do país o CDS deve falar com o Governo e não com quem o Governo fala”, referiu no sábado o partido, em comunicado.

A Assembleia da República vai debater na generalidade, em 19 de junho, a primeira alteração ao Orçamento do Estado para 2020, relacionado com a pandemia de covid-19.

Ler mais

Relacionadas

António Costa Silva diz que não vai negociar com partidos depois de críticas de BE, PCP, PAN e CDS-PP

À exceção do Partido Social-Democrata (PSD), os partidos já avisaram que recusam negociar com “paraministros” e criticam escolha do presidente da petrolífera Partex, António Costa Silva, para desenhar um programa de recuperação económica e representar o Governo nas negociações com os partidos e parceiros sociais. Depois das críticas, gestor já veio a público garantir que não se vai sentar à mesa de negociações.

António Costa Silva diz que não vai para o Governo

O novo conselheiro económico de António Costa garantiu que não vai integrar o Executivo. Sobre a TAP, defende a intervenção do Estado, mas preservando os postos de trabalho.

O que Portugal precisa para não falhar, segundo António Costa Silva

O gestor que o primeiro-ministro convidou para ajudar o Governo a delinear o plano de recuperação diz que Portugal tem instituições sólidas, mas alerta que as políticas públicas têm de ser mais inteligentes e inclusivas.
Recomendadas

Portugal continua com menos gente e cada vez mais velho

Uma população mais pequena, mais idosa, mas com poucas diminuições na percentagem em risco de pobreza. Tendência de decréscimo populacional e envelhecimento poderia ser ainda mais notória, não fosse o saldo migratório

Exportações de vestuário caem 43% em maio

A tendência de queda manteve-se em maio, com a indústria de vestuário a ter uma queda de 43% de envios para o exterior. Desde o início do ano, as empresas do setor perderam mais de 300 milhões de euros em exportações.

Vice-presidente da Comissão Europeia concorda com preocupações da CIP

Carta enviada em abril por António Saraiva a Ursula von der Leyen obteve resposta do seu “vice”. Valdis Dombrovskis defende “que a Europa deve estar equipada com os instrumentos necessários para enfrentar as consequências económicas e sociais da crise”.
Comentários