PS Madeira apresenta 50 alterações ao Plano de Recuperação e Resiliência para mudar modelo de desenvolvimento da região

Os socialistas madeirenses consideram que é preciso salvaguardar no Plano de Recuperação e Resiliência, para a Madeira, três dimensões: a questão social, o aumento do potencial produtivo e a promoção da coesão territorial.

O PS Madeira apresentou 50 propostas de alteração, no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR). Os socialistas consideram que os investimentos propostos pelo executivo madeirense estão muito centrados na administração pública, e sublinham a importância de se aproveitar as verbas do PRR para mudar o modelo de desenvolvimento da região e preparar a região para o futuro.

“A proposta do Governo Regional é um pouco mais do mesmo, está demasiado centralizada na administração pública e achamos que, com as centenas de milhões de euros que a Região irá receber, esta poderia ser a oportunidade para diversificar a economia e para criar emprego. Este plano também deveria servir para termos uma mudança estrutural e outro modelo de desenvolvimento”, afirmou Paulo Cafôfo, presidente do PS Madeira.

Para o socialista é preciso salvaguardar três dimensões: a questão social, o aumento do potencial produtivo e a promoção da coesão territorial.

Entre outras matérias de relevo o deputado e presidente do PS Madeira inclui: a inovação e a capacitação empresarial, o desenvolvimento territorial (com uma participação das autarquias e particular atenção ao norte da ilha e ao Porto Santo), a cultura, a educação e a produção regional e valorização dos produtos.

Verbas a fundo perdido para empresas

O socialista defende também a existência de apoios a fundo perdido para as empresas da região, com o objetivo de modernização e recapitalização, e para apoio a projetos diferenciadores e inovadores. Cafôfo defende que 20% das verbas do PRR devem ser alocadas para as empresas, lembrando que o turismo, restauração e comércio, estão a atravessar dificuldades.

Entre as outras medidas defendidas pelo socialistas estão: um programa de aceleração de ‘start-ups’ ao nível dos serviços de ‘shipping’, aproveitando as potencialidades do Registo de Navios e do mar para criar empregos qualificados.

PS quer novo modelo de gestão florestal

Cafôfo alertou ainda para a necessidade da região ter maior soberania alimentar e diminuir a dependência externa. Nesse sentido o presidente do PS Madeira, quer que sejam implementadas medidas que permitam a diversificação da economia agrícola, “com novos produtos e a aposta na área da transformação, a qual contribuiria para estimular a produção regional e valorizar os circuitos de comercialização”.

Os socialistas madeirenses colocam a transição ecológica como outra área a ter em consideração. Cafôfo propõe um novo modelo de gestão florestal, uma maior eficiência hídrica e a descarbonização da economia, a ocupação sustentável do solo e a prevenção de riscos.

Ler mais
Recomendadas

“A EEM sempre apostou na maximização da produção de energia renovável”

A Empresa de Eletricidade da Madeira diz ainda que a componente da autoprodução é “uma parte da solução” de maximização da produção de eletricidade de origem renovável, proporcionando mais valias para os autoprodutores e uma redução da dependência energética do exterior”, referindo-se ao regime jurídico relativo ao autoconsumo de energia renovável.

Madeira regista mais 17 casos positivos e 48 recuperações de covid-19

A Madeira tem 281 casos ativos de coronavírus, 21 são importados e 260 de transmissão local. Existem 48 situações em estudo pelas autoridades de saúde.

Faça a leitura do seu contador de eletricidade para diminuir valor da fatura

A DECO deixa ainda um alerta sobre os consumos prescritos, pois o consumidor neste caso não é obrigado a pagar esses valores. Entende-se que um consumo está prescrito quando os valores cobrados correspondem a períodos antecedentes a 6 meses em relação à data de emissão da sua fatura.
Comentários