PremiumPS quer adiar debate sobre financiamento partidário

Propostas de alteração à Lei de Financiamento dos Partidos já receberam parecer favorável, mas PS diz que debate não é prioritário. PSD lembra que autárquicas estão próximas e recusa atrasar processo.

O Partido Socialista (PS) quer adiar a discussão sobre as propostas de alteração à lei de financiamento dos partidos políticos e das campanhas eleitorais. Os socialistas consideram que o processo legislativo não é prioritário no atual contexto de pandemia e dizem que a lei em vigor tem permitido lidar com “os problemas de gestão de campanhas eleitorais e de finanças partidárias”. O partido do Governo não avança ainda com qualquer data para a retoma do processo legislativo e não se compromete com revisão a tempo das eleições autárquicas do próximo ano.

“A questão não é, para nós, prioritária embora estejamos sempre disponíveis para a debater, em termos de princípios e soluções legislativas”, diz ao Jornal Económico (JE) o secretário nacional da administração do PS, Luís Patrão, sobre o calendário de debate das alterações ao financiamento dos partidos. A dúvida em relação à pertinência atual da discussão foi levantada pelo deputado socialista Jorge Lacão na comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades, que esta quarta-feira aprovou um parecer sobre os projetos de lei apresentados pelo PSD, BE, PCP, PAN, CDS-PP e Iniciativa Liberal.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumEmpresas nacionais brilham nas tecnologias da educação

JP Inspiring Knowledge, Bi-Bright e ubbu têm uma palavra a dizer na ‘virtualeduca.connect’, que decorre de 21 a 23 de julho, sob o signo do futuro.

PremiumKKR e BlackRock na corrida à Indaqua

O Citi recebeu propostas de compra de quatro fundos, entre eles o KKR e a BlackRock. Avança agora a ‘due-diligence’ para as ofertas vinculativas.

PremiumBarclays contratado para vender Iberwind

A Finerge é uma das empresas interessadas em comprar a Iberwind. Há cinco a disputar o grupo eólico que em 2015 foi comprado por chineses.
Comentários