PSD apela à UE para encontrar “solução urgente” para ataques terroristas em Moçambique

“O Norte de Moçambique enfrenta, desde 2017, ações terroristas de extremismo violento de grupos jihadistas”, lembrou o partido social democrata.

Manuel de Almeida/LUSA

O PSD apelou à União Europeia “para que seja encontrada uma solução internacional que permita a Moçambique enfrentar os ataques terroristas em Cabo Delgado”, num projeto de resolução que deu entrada na Assembleia da República, a 13 de julho.

“A luta contra o terrorismo e a prevenção do extremismo violento têm sido prioridades da União Europeia, em consonância com a Estratégia Mundial contra o Terrorismo e o Plano de Ação para Prevenir o Extremismo Violento, das Nações Unidas”, apontou o PSD.

“O Norte de Moçambique enfrenta, desde 2017, ações terroristas de extremismo violento de grupos jihadistas”, lembrou o partido social democrata que acrescentou que este é  “um território extremamente pobre, apesar de ter riquezas naturais enormes, nomeadamente reservas de gás natural que são as maiores de toda a África”.

Para o PSD, “a comunidade internacional não pode alhear-se desta tragédia humanitária. A pandemia não pode ser desculpa para a União Europeia ou Portugal se desinteressarem da sorte de toda esta população do norte de Moçambique”

Além do pedido feito pelo partido, o PSD referiu ainda a posição de Augusto Santos Silva sobre a situação vivida a sul de África.  O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros pediu, a meados de junho, para que fosse encontrada “uma solução internacional que permita a Moçambique enfrentar os ataques terroristas no norte do país”.

A 27 de junho, um grupo terrorista islâmico realizou um ataque “muito violento” na vila de Mocimboa da Praia, no norte de Moçambique, que provocou várias vítimas mortais entre as forças de segurança, segundo noticiado pela agência Reuters.

“As forças de segurança estão a travar um combate violento porque foram atacadas com um grande poder de fogo”, relatou uma fonte à Reuters. O ministério da Defesa e a polícia não comentaram o ataque.

Antes do atentado levado a cabo em junho, já tinha existido outra tentativa. “No dia 7 de abril foram abatidos 39 terroristas, numa tentativa de ataque a Muidumbe. Na madrugada de 10 de abril foram abatidos outros 59 como resultado de um ataque que protagonizaram na Ilha das Quirimbas. Na noite de 11 e 12 foram abatidos mais 30 insurgentes que tentavam atacar a Ilha do Ibo em quatro embarcações, disfarçados de pescadores”, revelou o  ministro do Interior de Moçambique Amade Miquidade.

Em abril, o ministro do Interior de Moçambique garantiu ainda que a “a situação em Cabo Delgado neste momento está sob controle: identificámos onde o inimigo se encontra e suas bases, enquanto as Forças de Defesa e Segurança estão estrategicamente preparadas para mais uma ofensiva”.

 

Ler mais
Relacionadas

JPP pede que seja divulgada lista de devedores da Segurança Social

O JPP refere que a legislação obriga à divulgação dos devedores da Segurança Social, e expressa a sua incompreensão com a “constante resistência” do executivo madeirense em cumprir com as recomendações legais e com a transparência contributiva.
Marcelo Rebelo de Sousa à saída do Infarmed

Marcelo defende discriminação positiva para o setor do turismo

O chefe de Estado indicou que, segundo informações que obteve do Governo, este “está a ponderar olhar seriamente para a situação do turismo em termos de emprego no futuro, para além daquilo que já foi anunciado, e está muito atento à situação do Algarve”.

Orçamento Suplementar: Madeira prevê receber menos 187 milhões de euros em impostos

As perdas de IRS, IRC e IVA, estão estimadas em 48, 50 e 54 milhões de euros, entre as propostas de Orçamento Regional e Orçamento Suplementar.
Recomendadas

“Silêncio de hoje tornará inoportunas críticas de amanhã”. PS lamenta falta de ideias da direita para fundos europeus

O secretário-geral adjunto do Partido Socialista (PS), José Luís Carneiro, lamenta que, até ao momento, os partidos da direita não tenham apresentado qualquer ideia e desafia-os a apresentarem propostas até ao final de agosto.

PremiumQueda da população ativa pode impedir recuperação económica rápida

A taxa de desemprego desceu no segundo trimestre, mas o impacto da pandemia no turismo e o aumento da concorrência global na era do teletrabalho preocupam os especialistas consultados pelo JE.

André Ventura rejeita qualquer hipótese de entendimentos entre o Chega e o PSD ou CDS-PP

O presidente demissionário e deputado único do Chega, André Ventura, diz que o Chega “não está à venda” nem tem intenção de se tornar “o CDS do século XXI” e deixa a mesma resposta para o PSD e CDS-PP: “Não obrigado, não queremos nem aceitamos” acordos ou entendimentos.
Comentários