PSD confirma nova comissão de inquérito só para “caso Domingues”

Luís Montenegro defende que os SMS entre Centeno e Domingues são “comunicações oficiais”, e diz que seria um “escândalo” se Ferro não aceitasse uma nova comissão de inquérito.

O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, confirmou este sábado que o partido está a “ultimar o requerimento” para a constituição de uma nova comissão parlamentar de inquérito (CPI) à CGD, que “abarcará todo o período que medeia entre a negociação com a equipa de António Domingues até ao momento da sua demissão”, informa o Observador.

À saída da apresentação da apresentação do candidato à câmara local, em Tomar, Montenegro garantiu ainda que o PSD não abandonará a comissão que decorre atualmente.

Sobre a segunda comissão de inquérito, o líder da bancada do PSD explica que o seu partido só avança “porque o PS, PCP e Bloco de Esquerda inviabilizaram o trabalho de apuramento da verdade na que atualmente decorre”. Para Montenegro a nova comissão “visa ultrapassar o boicote democrático” que os partidos de esquerda “impuseram ao Parlamento“.

Sobre os SMS trocados entre Mário Centeno e António Domingues, Luís Montenegro considera que “não são comunicações privadas”, mas sim “troca de comunicações oficiais”. O líder parlamentar do PSD rejeita, por isso, a inconstitucionalidade do acesso a estas comunicações, alertando que isso também seria dizer que o Presidente da República ou António Costa cometeram “uma inconstitucionalidade” quando viram esses SMS.

Para Montenegro é claro que são mensagens oficiais, com interesse público, pois ocorreram “no âmbito de um processo negocial, antes durante e depois de uma equipa gerir o banco público, que é 100% gerido pelo Estado”. E acrescenta: “Não estamos a falar de conversas de amigos”.

Após questionado pelos jornalistas, Luís Montenegro disse nem querer acreditar que o presidente da Assembleia da República possa vetar a constituição desta nova comissão, já que se trata de “um direito que não pode ser oposto pela maioria”. Se o PSD e o CDS se vissem impedidos de formar a comissão por parte de Ferro Rodrigues, considera o líder da bancada social-democrata, seria “um escândalo grande“. Para Montenegro “só o facto de se teorizar sobre o assunto, já é de uma gravidade enorme“.

A comissão de inquérito que será requerida na próxima semana, fará com que decorram simultaneamente duas comissões à CGD em simultâneo no Parlamento. A primeira a ser formada era uma comissão de inquérito para apurar o que levou à necessidade de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à gestão do banco, mas deixava de fora o atual processo de recapitalização.

O PSD deu a entender, na quinta-feira, que podia mudar a sua postura na comissão, não excluindo a hipótese de abandonar a comissão. Este sábado, Luís Montenegro vem garantir que não o fará. “A comissão está a trabalhar, tem um representante que é o seu vice-presidente. Não temos nem nunca tivemos qualquer intenção de abandonar os trabalhos da comissão. Há uma reunião na próxima terça-feira. O que queremos é que ela tenha o mínimo de condições para prosseguir o seu trabalho.”

O líder da bancada do PSD, destaca que “um dos problemas que levou à necessidade de recapitalização da CGD esteve relacionado com a sua política de crédito e a esquerda recusa-se a ouvir os protagonistas.”

Ler mais

Recomendadas

Bancos aceleram chegada dos fundos públicos às empresas e famílias portuguesas

Os cinco maiores bancos portugueses assumiram o compromisso de tudo fazer para “implementarem as moratórias e acelerarem a chegada de fundos no âmbito dos apoios públicos às famílias e às empresas, sem por em causa os interesses e a segurança dos depositantes”.

Vem aí uma “recessão severa”, alerta Associação Portuguesa de Bancos

Fernando Faria de Oliveira, presidente da Associação Portuguesa de Bancos, considera que ainda é prematuro perceber como vai evoluir o malparado durante a crise económica e admite ser fundamental adoptar medidas que garantam a capacidade das empresas e das famílias de pagarem créditos.

Santander tem 1,5 milhões de euros para ajudar estudantes e universidades

O banco liderado por Pedro Castro e Almeida tem fundos para apoiar no imediato os alunos que se encontram em situação económica de emergência. Em setembro serão disponibilizadas mil bolsas de apoio social.
Comentários