PSD declara apoio à recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa

Conselheiros nacionais reunidos em Olhão aprovaram proposta da Comissão Política Nacional para apoiar o candidato que “dá mais garantias de equilíbrio e de união nacional no quadro de crise que Portugal atravessa”. Apesar de os sociais-democratas reconhecerem que nem sempre concordaram com o atual Chefe de Estado no seu primeiro mandato.

Miguel Figueiredo Lopes/Presidência da República handout via Lusa

O Conselho Nacional do PSD aprovou nesta sexta-feira o apoio à recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa à Presidência da República, tal como foi proposto pela Comissão Política Nacional presidida por Rui Rio aos membros desse órgão do partido que esteve reunido em Olhão. Não houve nenhum voto contra, mas menos de uma dezena de conselheiros nacionais optaram pela abstenção.

“O atual Presidente da República é o candidato que nos dá mais garantias de equilíbrio e de união nacional no quadro de crise que Portugal atravessa”, lê-se no texto elaborado pela Comissão Política Nacional, onde também se defende que “todos os demais candidatos personalizam projetos de ruptura que, no momento histórico que atravessamos, se afiguram de elevado risco para uma superação mais rápida e mais tranquila das dificuldades que o país tem pela frente”.

Apesar do apoio à recandidatura do ex-líder social-democrata ao Palácio de Belém, foi reconhecido que “ao longo do seu primeiro mandato, o PSD nem sempre tenha estado concordante com todas as posições políticas por ele assumidas”. Algo que não invalida que os conselheiros nacionais estejam “conscientes de que o exercício do mais alto cargo da Nação implica uma ação política transversal e desligada de fidelidades partidárias”.

Marcelo Rebelo de Sousa tem reservado a decisão sobre a recandidatura para novembro, alegando dúvidas quanto às suas condições de saúde para mais cinco anos na Presidência da República, pelo que o texto da Comissão Política Nacional que apoia a sua recandidatura termina com o desejo de que “seja também essa a sua vontade” e garante respeitar “o momento político que entenda escolher para anunciar a sua decisão ao país”.

Depois do PSD, também o CDS deverá declarar apoio a Marcelo Rebelo de Sousa, tal como fez aquando da primeira candidatura, tendo o líder centrista Francisco Rodrigues dos Santos dito já que “a direita não tem um candidato, mas tem um Presidente”. O PS irá decidir qual será a posição quanto às presidenciais de janeiro de 2021 numa reunião da Comissão Política a realizar em outubro, da qual se espera que saia uma indicação de liberdade de voto, após vários dirigentes terem admitido votar no atual Presidente da República, embora a candidatura independente da ex-eurodeputada socialista Ana Gomes também reúna algumas figuras do seu partido e conte ainda com a declaração de apoio do Livre.

Os restantes candidatos presidenciais têm o apoio dos respetivos partidos: Marisa Matias (Bloco de Esquerda), André Ventura (Chega), João Ferreira (PCP), Tiago Mayan Gonçalves (Iniciativa Liberal), Bruno Fialho (PDR) e Vitorino “Tino de Rans” Silva (RIR).

Ler mais
Relacionadas

Marcelo Rebelo de Sousa: “Não me passa pela cabeça que o Orçamento do Estado seja chumbado”

Numa altura de pandemia, crise económica e social, em que Portugal se prepara para receber fundos europeus, assumir a Presidência da UE e votar para um novo Presidente da República, o que impossibilita a dissolução do Parlamento até março, Marcelo Rebelo de Sousa apelou a que seja aprovado o Orçamento do Estado.
Recomendadas

PAN: “Estado de Emergência não significa necessariamente que tenha que existir um confinamento”

Em declarações ao Jornal Económico, Inês Sousa-Real assinala que “o que importa neste momento é percebermos onde é que estão as cadeias de transmissão”, defendendo que proporcionalidade e adequação das medidas consoante as localidades e regiões.

“Não desistimos de nenhuma batalha antes de acabar”. PCP apresenta propostas de alteração ao OE 2021

Entre as medidas apresentadas, no campo da justiça fiscal, João Oliveira anunciou que os comunistas pretendem a “atualização dos escalões IRS, o aumento de mais um escalão neste imposto aumentando a progressividade do mesmo, bem como o aumento dos chamados valores do mínimo de existência e dedução especifica, permitindo cumprir o objetivo de redução da tributação dos rendimentos mais baixos, intermédios”.

Governo vai ter de responder a providência cautelar do Chega contra restrições à circulação sem estado de emergência

Supremo Tribunal Administrativo dá 24 horas ao Conselho de Ministros para se pronunciar sobre alegação de inconstitucionalidade da resolução que proíbe deslocações entre concelhos das 00h00 de sábado até às 06h00 da próxima terça-feira.
Comentários