PSD diz que “começa a ser evidente” necessidade de uma comissão de inquérito ao Novo Banco

Em causa está mais um negócio ruinoso do Novo Banco para o Estado português, desta vez com a venda a preços de saldo de uma seguradora a um fundo detido por um milionário condenado por corrupção. Os social-democratas dizem que comissão de inquérito é essencial para se perceber como forma feitas as compras e vendas de ativos do banco.

O Partido Social Democrata (PSD) considera que os negócios ruinosos que têm vindo a público tornam “evidente” a necessidade de se criar uma comissão de inquérito à gestão do Novo Banco no Parlamento. Os social-democratas consideram que o pedido deve ser avaliado quando a Assembleia da República regressar ao trabalho, em setembro, para se perceber como forma feitas as compras e vendas de ativos do banco liderado por António Ramalho.

Em declarações à rádio “TSF”, o deputado social-democrata Duarte Pacheco afirmou que “começa a ser evidente que este caso terminará com uma comissão de inquérito parlamentar”, depois de esta segunda-feira o “Público” ter noticiado mais um negócio ruinoso para o Novo Banco, que serviu para António Ramalho “justificar novo pedido de injeção de dinheiros públicos” do Fundo de Resolução.

Em causa está a venda, por parte do Novo Banco, da seguradora GNB Vida ao fundo Apax, em outubro de 2019, por um preço muito abaixo do valor contabilístico, inscrito no balanço de 30 de junho daquele ano. De acordo com o “Público”, a GNB Vida terá sido vendida com um “desconto” de 68,5% ao Apax, tendo esta operação gerado uma perda de 268,2 milhões de euros para o Novo Banco.

Quanto ao comprador da seguradora, que passou depois a ser conhecida como Gama Life, trata-se de Greg Lindberg, um milionário do setor dos seguros que foi condenado este ano por fraude, corrupção e evasão fiscal. Greg Lindberg foi ainda acusado de pagar ao Partido Republicano para a sua empresa, a Global Bankers, ser beneficiada.

O líder do PSD, Rui Rio, já tinha admitido a possibilidade de vir a aprovar a abertura de uma comissão de inquérito parlamentar ao Novo Banco, proposta pelo Chega na Assembleia da República, quando foi noticiado que o Novo Banco terá vendido imóveis, abaixo do preço de mercado, a entidades que podem ter ligações ao fundo norte-americano Lone Star, atual dono do Novo Banco.

“Isto é gozar com os portugueses. O Governo andou mal, porque a partir do momento em que se compromete com o negócio de venda”, considera ainda Rui Rio. “Faz sentido uma investigação ao contrato de venda [do Novo Banco à Lone Star] e a tudo o que acontece depois desse contrato de venda (…) se tudo isto se confirmar que tudo isto é verdade”, disse, na altura, Rui Rio.

Duarte Pacheco avança, no entanto, que, em vez de apoiar a proposta de criação de uma comissão parlamentar de inquérito do Chega, podem ser os próprios sociais-democratas a apresentar a proposta na reabertura do Parlamento, após as férias. “Antes de apoiar, o PSD pode ser ele mesmo o preponente”, afirmou Duarte Pacheco.

Ler mais
Relacionadas

ASF esclarece que não se opôs à venda do GNB porque Lindberg não seria o beneficiário final

Supervisor de seguros português reitera que apenas se pronunciou sobre idoneidade e capacidade de assegurar gestão sã da GNB pelo fundo Apax, no qual não detetou ligações com o empresário condenado por corrupção nos EUA.

Novo Banco: Marcelo não comenta venda de seguradora com 70% de desconto e diz que vai esperar pela auditoria

O Chefe de Estado disse que vai esperar pela auditoria à gestão do banco liderado por António Ramalho, pedida pelo Governo à Deloitte, e que as consequências dos negócios ruinosos do Novo Banco só poderão ser determinadas depois de conhecidos os resultados da auditoria.

Catarina Martins pede demissão da comissão diretiva do Fundo de Resolução e da administração do Novo Banco

A proposta da líder do Bloco de Esquerda surge depois de o jornal “Público” ter noticiado que o Novo Banco vendeu a seguradora GNB Vida com 70% de desconto a um gestor condenado por corrupção. Catarina Martins lembra que o Estado tem participação no Novo Banco e “não pode ficar parado a ver o assalto a acontecer”.

Novo Banco diz que comprador da GNB teve idoneidade verificada pelo regulador

O Novo Banco garante que o comprador da seguradora GNB “teve a idoneidade verificada pelo regulador de seguros” e que a venda foi feita com acordo com Fundo de Resolução.

Novo Banco vendeu seguradora com desconto de 70% ‘coberto’ pela ajuda do Estado

O Novo Banco vendeu em outubro uma seguradora com desconto de quase 70% a fundos geridos pela Apax, operação que gerou uma perda de 268,2 milhões e foi compensada com verba do Fundo de Resolução, noticia o jornal Público.
Recomendadas

BNI Europa agravou prejuízos para 6,6 milhões de euros até junho

O ativo líquido total era em junho passado de 351,5 milhões de euros, neste caso menos 66,5 milhões de euros face a junho de 2019.

Banco de Portugal obriga financeiras em regime de livre prestação de serviços a reporte

Centenas as instituições estão registadas em Portugal como instituições de crédito da União Europeia em regime de livre prestação de serviços e entidades de moeda eletrónica com sede na Europa em regime de livre prestação de serviços, caso dos bancos digitais N26, Openbank ou Revolut.

Novo Banco quer vender 1.200 milhões de euros em créditos problemáticos até fim do ano

O Novo Banco quer vender 1.200 milhões de euros em crédito malparado até ao final do ano, segundo disse o presidente executivo, António Ramalho, à agência de informação financeira Bloomberg.
Comentários