PSD diz que OE2022 é um diálogo “entre PCP, Bloco de Esquerda e PS”

Rui Rio considerou que o Orçamento do Estado para 2022 ser debatido à esquerda será “grave” porque PCP e BE “tendem a exigir tudo e mais alguma coisa dentro do Orçamento e fora dele”.

O presidente do Partido Social Democrata (PSD), Rui Rio, afirmou, esta quarta-feira, que o Orçamento do Estado (OE) para 2022 será um diálogo a decorrer entre Partido Comunista Português (PCP), Bloco de Esquerda (BE) e Partido Socialista (PS)

Em conferência de imprensa, Rui Rio admitiu que o OE para 2022 será novamente debatido à esquerda e recordou o momento em que o primeiro-ministro rejeitou colaborar com a direita. “Ao dizer que o Orçamento do Estado se for aprovado com os votos do PSD ele [António Costa]se demite, então os votos do PSD tanto faz serem a favor como contra, como abstenção. Têm sempre o mesmo efeito que é ele demitir-se a não ser que consiga entender-se com a esquerda que é o que ele está a tentar”.

Para o PSD o próximo Orçamento partirá de um “diálogo entre o PCP, o Bloco de Esquerda e o PS”. “O que obviamente é grave na exata medida em que tudo aquilo que possam ser reivindicações do PCP e do BE por sua vez nunca sabem se é a ultima negociação e se há orçamento no ano seguinte. Tendem a exigir tudo e mais alguma coisa dentro do Orçamento e fora dele”, considerou Rui Rio. De recordar que o PSD votou contra o Orçamento do Estado para 2021.

“Por exemplo, a exigência de mexer na legislação laboral é quanto a nós grave na exata medida o relançamento económico exige alguma flexibilidade laboral para que os empresários não tenham medo de investir e não se retraiam no investimento e portanto se vamos tornar uma legislação laboral mais rígida do que aquela que temos só dificulta o investimento”, justificou o líder social democrata

Apesar de defender que o OE2022 será é uma discussão para se ter à esquerda, Rui Rio sugeriu que o Orçamento fosse “um elemento complementar ao PRR (Plano de Recuperação e Resiliência), mas numa completa independência”.

 

Recomendadas

Sondagem aponta que Rui Moreira pode renovar a maioria absoluta no Porto

Rui Moreira reúne 45% das intenções de voto, com o PS a recuar 11 pontos face aos resultados obtidos em 2017.
medina_candidatura

CNE afasta irregularidade na inclusão de presidentes de institutos públicos na comissão de honra de Medina

Presidentes da Agência para a Modernização Administrativa, do Instituto Português do Desporto e Juventude e da Fundação INATEL surgem identificados com esses cargos na listagem de apoiantes da coligação Mais Lisboa. Membros do Governo optaram pelas respetivas profissões ou cargos partidários, “faltando” apenas cinco dos atuais ministros na comissão de honra de Fernando Medina.

PS está na “posição ingrata” em que “todos lhe batem”, diz António Costa

Segundo o líder socialista, “a realidade” é que, “em cada um dos concelhos, a escolha é sempre uma, ou é o PS e as coligações PSD/CDS-PP ou é o PS e a CDU”.
Comentários