PSD “está preparado” para legislativas antecipadas que devem ser rápidas

Em declarações à Lusa, o presidente da Mesa do Congresso e do Conselho Nacional do PSD não quis pronunciar-se sobre os calendários internos do partido, mas disse discordar da visão de que ter umas diretas marcadas para muito perto – 04 de dezembro – de eventuais legislativas possa beneficiar o partido.

O dirigente do PSD Paulo Mota Pinto defendeu hoje que o partido “está preparado” para eleições legislativas antecipadas, responsabilizou PS, BE e PCP pela eventual crise política, e defendeu que as legislativas devem ocorrer “o mais rapidamente possível”.

Em declarações à Lusa, o presidente da Mesa do Congresso e do Conselho Nacional do PSD não quis pronunciar-se sobre os calendários internos do partido, mas disse discordar da visão de que ter umas diretas marcadas para muito perto – 04 de dezembro – de eventuais legislativas possa beneficiar o partido.

“Parece-me claro que entre a perceção no eleitorado de divisão interna e de falta de unidade, por um lado, e, por outro lado, a legitimação, a primeira é aquela que marca mais”, defendeu, dizendo haver precedentes de outros partidos que mudaram de líderes “pouco antes de eleições” e as perderam.

Questionado sobre a probabilidade de uma crise política, com o ‘chumbo’ anunciado do Orçamento do Estado para 2022 na quarta-feira, Paulo Mota Pinto começou por salientar que a direção do PSD “já tinha antecipado esta possibilidade séria”.

“Revela que esta fórmula de Governo do PS, ancorado no apoio do PCP e do BE, é uma solução que não só não trazia desenvolvimento e crescimento económico, mas além disso é uma solução incapaz de garantir estabilidade”, afirmou, apontando um “esgotamento” desta fórmula governativa.

Por outro lado, defendeu, “a responsabilidade desta situação é, em primeiro lugar do PCP e do BE, que provocarão a reprovação do Orçamento, mas também, em igual medida, do PS, que colocou o país na dependência do acordo desses partidos para governar”.

“O PSD está preparado para eleições antecipadas, vem-se a preparar há bastante tempo, tem um programa, esta direção criou uma estrutura, o Conselho Estratégico Nacional, que integra centenas de pessoas e já produziu muitas páginas de propostas”, disse.

Paulo Mota Pinto defendeu ainda que “o PSD já foi responsável por evitar a maioria absoluta do PS em 2019” e disse concordar “com o diagnóstico do Presidente da República que, a terem lugar, as eleições devem ser o mais rapidamente possível para esclarecimento da situação”.

Questionado se o calendário interno do PSD pode ou não dificultar a campanha do partido nas legislativas, Mota Pinto disse não querer comentar as diretas, mas salientou que “quem alertou para a irresponsabilidade de aventureirismo de abrir já o processo eleitoral tinha razão”, numa referência ao presidente do PSD e recandidato ao cargo, Rui Rio.

“No Conselho Nacional, houve pessoas que não acreditaram neste cenário e disseram que era teatro, outras talvez acreditassem, mas queriam muito eleições e viram talvez uma oportunidade de tentar chegar ao poder o mais rapidamente possível”, afirmou.

Questionado se poderá haver nova tentativa de alterar o calendário eleitoral interno num novo Conselho Nacional, Mota Pinto recusou pronunciar-se sobre este tema.

Em 14 de outubro, o Conselho Nacional do PSD chumbou (com 71 votos contra e 40 a favor) uma proposta da direção para suspender a marcação do calendário eleitoral interno, proposto na véspera pela própria Comissão Política Nacional, e avançou para a marcação de eleições diretas em 04 de dezembro e congresso entre 14 e 16 de janeiro.

Até agora, há dois candidatos à liderança, Rui Rio e o eurodeputado Paulo Rangel, que tem defendido que, a haver eleições antecipadas no país, o líder do PSD ganha em ir legitimado com uma vitória nas diretas no partido, que ocorrem dentro do calendário ordinário (de dois em dois anos).

O tema deverá marcar a campanha eleitoral interna se se confirmar o ‘chumbo’ do Orçamento do Estado para 2022 já na votação na generalidade, que o Presidente da República reiterou hoje que conduzirá a um cenário de dissolução do parlamento.

Recomendadas

Marques Mendes: “Comissão Técnica vai dar parecer positivo à vacinação de crianças entre os 5 e os 11 anos”

“A Comissão Técnica de Vacinação esteve reunida esta tarde e nas próximas horas será conhecida a sua posição. A recomendação global é para que avance a vacinação das crianças destas idades com uma dose mais pequena, uma dose pediátrica”, realçou o comentador.

DGS recomenda uso de máscaras em bares e discotecas sempre que possível

Em resposta a uma pergunta enviada pela Agência Lusa, a DGS esclareceu que na orientação que define as regras aplicáveis a bares e discotecas, apenas prevê a utilização obrigatória de máscara pelos respetivos trabalhadores, mas “recomenda a utilização de máscara comunitária certificada ou máscara cirúrgica na comunidade, em todos os espaços interiores, sempre que possível (designadamente, no caso concreto, quando os respetivos utilizadores não se encontrem a dançar ou a beber)”.

Covid-19: Madeira prevê começar a vacinar crianças no próximo dia 14

“As vacinas [destinadas a vacinar crianças] chegam a 13 de dezembro, uma semana antes do previsto”, disse Pedro Ramos em conferência de imprensa destinada a fazer o balanço da situação epidemiológica da covid-19 na Madeira.
Comentários