PSD junta-se ao BE e PCP para pedir apreciação parlamentar do decreto das PPP na saúde

Os social-democratas acompanham a intenção dos bloquistas e comunistas por considerarem que o novo regime introduz elementos que podem levar à “desvalorização de critérios de racionalidade e eficiência administrativas”.

Cristina Bernardo

O Partido Social Democrata (PSD) quer fiscalizar no Parlamento o decreto do Governo que regulamenta a celebração de contratos de parcerias público-privadas de gestão na área da saúde. Os social-democratas acompanham a intenção dos bloquistas e comunistas por considerarem que o novo regime introduz elementos que podem levar à “desvalorização de critérios de racionalidade e eficiência administrativas”.

O grupo parlamentar do PSD reconhece, no pedido de apreciação parlamentar entregue esta sexta-feira na Assembleia da República, que o diploma do Governo aprovado a 22 de maio tem aspetos positivos como é o caso da possibilidade de “celebração de contratos de parceria de gestão na área da saúde, em caso de necessidade fundamentada”, mas nota que há aspetos que merecem “a frontal oposição do PSD”.

Exemplo disso é a alteração à “ratio dos referidos contratos”, ao serem introduzidos “elementos novos, de pendor mais ideológico, de cuja aplicação sempre resultaria uma desvalorização de critérios de racionalidade e eficiência administrativas”. O PSD defende que a gestão Serviço Nacional de Saúde (SNS) “deve ser primordialmente pública”, mas que o Estado deve recorrer aos setores privado e social sempre que necessário.

“Se para o PSD a gestão das instituições do SNS deve ser primordialmente pública, o recurso aos setores privado e social deve verificar-se, não só quando tal se revele necessário, atenta a capacidade instalada dos serviços públicos, como vantajoso, em termos de relação qualidade-custos, e, mais importante ainda, quando tal cooperação possa conduzir à obtenção de ganhos em saúde para os utentes do SNS, principalmente os mais fragilizados e vulneráveis”, sustenta o partido liderado por Rui Rio.

Embora por razões diferentes, também o Bloco de Esquerda (BE) e o Partido Comunista (PCP) pediram a apreciação parlamentar desse decreto. O BE quer a sua revogação do diploma por considerar que “o SNS deve ser totalmente público” e, na mesma linha, o PCP a acusa o Governo de “interpretação abusiva” da Lei de Bases da Saúde, tendo em conta que “permite a criação de novas PPP na saúde”.

Recomendadas

Medição de temperatura pode criar “constrangimentos” no aeroporto de Lisboa

A ANA reconhece que a medição da temperatura dos passageiros pode causar “alguns constrangimentos em momentos de maior concentração” de voos de chegada no aeroporto de Lisboa.

Bill Gates pede que fármaco contra Covid-19 seja distribuído “entre quem mais precisa” e não ao “maior licitador”

“Precisamos que os líderes tomem essas decisões difíceis sobre a distribuição com base no património, e não apenas em fatores orientados pelo mercado”, explicou numa conferência que tinha a Covid-19 como tema central do debate.

Empresários alemães antecipam “desastre económico ” com Brexit sem acordo

Os empresários alemães consideraram hoje que se não houver “regras claras” relativamente ao comércio de mercadorias após o ‘Brexit’, haverá um “desastre económico” para as empresas do país.
Comentários