PSD/Lisboa demarca-se de Rui Rio e diz que há racismo em Portugal a ser “infelizmente” normalizado

Ao contrário do que tem sido defendido pela direção de Rui Rio, o presidente da concelhia do PSD/Lisboa considera que há racismo (e xenofobia) em Portugal e que estes problemas estão “infelizmente a caminho da normalização”. “Condeno o racismo, a xenofobia e todas as formas de exclusão em todas as suas vertentes”, diz Luís Newton.

A concelhia do PSD de Lisboa condenou esta quinta-feira “o racismo, a xenofobia e todas as formas de exclusão” que existem na sociedade portuguesa. Ao contrário do que tem sido defendido pela direção de Rui Rio, o presidente da concelhia do PSD/Lisboa, Luís Newton, considera que há racismo (e xenofobia) em Portugal e que estes problemas estão “infelizmente a caminho da normalização”.

“Condeno o racismo, a xenofobia e todas as formas de exclusão em todas as suas vertentes. Não podemos permitir que no nosso país se propaguem discursos de ódio e manifestações como as que vimos no sábado em Lisboa, à porta da SOS Racismo”, defende o presidente da concelhia do PSD/Lisboa, depois de ter sido noticiado que a Policia Judiciária (PJ) está a investigar as ameaças dirigidas a três deputadas e à SOS Racismo.

As ameaças foram enviadas por email para as duas deputadas do Bloco de Esquerda (BE) Beatriz Gomes Dias e Mariana Mortágua e para a deputada não-inscrita Joacine Katar Moreira. No email enviado pela denominada “Nova Ordem de Avis – Resistência Nacional”, o remetente insta as deputadas a abandonar as suas funções políticas e a deixar o país em 48 horas, sob pena de serem tomadas medidas “contra estes dirigentes e os seus familiares”.

Ao que se sabe, o referido email terá sido enviado também a Mamadou Ba, dirigente da associação SOS Racismo, e a mais seis membros da associação.

Sem nunca referiu o nome de Rui Rio, que numa entrevista à TVI no início de junho veio dizer que em Portugal “não há racismo” e que nunca notou que esse seja um problema da sociedade portuguesa, Luís Newton diz que os atos de racismo e xenofobia “são intoleráveis seja contra quem forem praticados” e que “estão infelizmente a caminho da normalização”. “Não o podemos permitir”, sublinha.

“Tal como em Lisboa e no país critiquei a terrível decisão do PS de incluir numa solução de Governo partidos extremistas, também agora tenho de ser claro a dizer que o partido fundado por Sá Carneiro jamais em momento algum poderá alimentar sequer a ideia de normalizar estes discursos”, atira Luís Newton, sublinhando que “em momentos destes, os políticos não podem permitir incertezas”.

O líder da concelhia do PSD/Lisboa e líder da bancada do PSD na Assembleia Municipal de Lisboa critica ainda a abertura de Rui Rio a um entendimento com o Chega de André Ventura caso o partido “modere” o discurso político e sublinha que não se pode “construir a democracia com quem nela não acredita”.

“O PSD é um partido que sempre teve como valores não negociáveis o respeito pela Democracia, pela diferença, pela pluralidade e pela dignidade humana. Nunca poderá aceitar ou compactuar com propostas políticas que ponham em causa estes valores. Se considero inaceitável que o PS esteja refém da extrema esquerda, também não poderei aceitar que o PSD esteja refém da extrema-direita”, salienta.

Ler mais
Relacionadas

“Direita extremista quer ressuscitar passado de triste memória”. Ferro Rodrigues repudia ameaças a deputadas

O presidente do Parlamento, Eduardo Ferro Rodrigues, volta a alertar que a direita populista e extremista está a tentar “ressuscitar” uma “agenda antidemocrática” com estes ataques e condena quaisquer “atos racistas e fomentadores do ódio”.

“48 horas para rescindirem funções e abandonar o país”. O que já se sabe sobre a ameaça da extrema-direita a deputadas e ativistas?

Depois da “parada Ku Klux Klan” à porta do SOS Racismo, as deputadas Beatriz Gomes Dias, Mariana Mortágua e Joacine Katar Moreira estavam entre as destinatárias da ameaça enviada esta terça-feira por um grupo de extrema-direita radical. PJ já está a investigar o caso.
Mariana Vieira da Silva

“Ameaça aos deputados é uma ameaça à própria democracia”, sublinha ministra Mariana Vieira da Silva

“A ameaça aos três deputados é uma ameaça à própria democracia, o Governo repudia e solidariza-se com as vítimas desta ameaça, a tentativa de condicionamento politico de representantes eleitos é crime e é assim que está a ser tratado”, realçou a ministra.

Marcelo sobre ameaça a deputados: “É tão condenável como se fosse contra qualquer outro cidadão”

“Este ato ganhou uma maior notoriedade mas é tão condenável um ato destes contra deputados como contra qualquer outro cidadão. Esta situação ganha outra dimensão na medida em que é contra deputados”, realçou o Presidente da República.
Recomendadas

PCP identifica seis cadeias de dependência externa que implicam “colonização económica e política”

Turismo, grande distribuição e a aposta no lítio e no hidrogénio não foram esquecidos na análise (muito crítica) que os comunistas fazem à economia portuguesa nas Teses que servirão de base ao XXI Congresso, que decorrerá entre 27 e 29 de novembro.

Hamas e Fatah chegam a acordo para a realização de eleições daqui a seis meses

Depois de 15 anos sem atos eleitorais, na sequência dos confrontos que resultaram da tentativa de coligação em 2006, as duas principais fações palestinianas procuram dar sinais de união numa altura em que o restante mundo árabe parece aberto à normalização dos laços com Israel.

Presidenciais: Paulo Pedroso na “estrutura organizativa” da candidatura de Ana Gomes

O ex-ministro do Trabalho Paulo Pedroso vai integrar a “estrutura organizativa” da candidatura de Ana Gomes a Presidente da República, confirmou hoje a própria numa declaração à agência Lusa.
Comentários