PSD não vai tentar travar nomeação de Centeno para o Banco de Portugal

Os social-democratas não concordar, mas não vão fazer nada para impedir que o ex-ministro Mário Centeno passe à condição de Governador do banco de Portugal.

Cristina Bernardo

O vice-presidente social-democrata, Nuno Morais Sarmento, disse em conferência de imprensa que o PSD tem “uma posição desfavorável à escolha de Mário Centeno” mas admitiu que a nomeação do ex-ministro das Finanças será “legal e regular”. Ou, dito de outra forma, o PSD vai abster-se de, no Parlamento ou em qualquer outra sede, tentar reverter a indicação do ex-ministro das Finanças para o banco central.

Morais Sarmento disse ainda que o PSD “não aprovará nenhuma lei ad hominem” que sirva para travar exclusivamente esta nomeação no Parlamento, pelo que já não há qualquer impedimento para que o Governo avance com aquilo que todas sabiam que iria suceder.

Na generalidade o PSD tinha aprovado uma proposta do PAN que impedia os governantes de saírem diretamente do Governo para o banco central, obrigando ao cumprimento de um período de nojo de cinco anos. O PSD considera que a nova lei, com que está genericamente de acordo, não deve ser aplicada de imediato, o que iria ‘pessoalizar’ a questão.

Os novos projetos devem “mudar as regras não a meio do jogo, mas no fim do jogo”, disse Morais Sarmento, repetindo o que o líder social-democrata, Rui Rio, já vinha afirmando há vários dias. “Que se aplique para o futuro, mas que não sirva para resolver problemas concretos, que não seja uma lei ad hominem“, disse Morais Sarmento.

Apesar de não ir aprovar uma lei para impedir Centeno de ir para o Banco de Portugal, o PSD deixou duras críticas à escolha do ex-ministro das Finanças. A escolha é “desaconselhável” e que não era uma escolha que o PSD faria porque “não traz clareza ao Governo”.

Morais Sarmento também criticou o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, por ‘explicar’ o caso recorrendo ao histórico de outros ex-ministros que passaram para o Banco de Portugal, uma vez que os tempos e os contextos são completamente diferentes.

Ler mais
Relacionadas

BCE pede mais quatro semanas para emitir parecer sobre regras de nomeação para o Banco de Portugal

O Banco Central Europeu pediu à Assembleia da República mais quatro semanas para emitir parecer sobre o projeto de lei do PAN que altera as regras de nomeação do governador do Banco de Portugal.
marcelo_rebelo_sousa_legislativas

Presidente diz que críticas de Morais Sarmento são “distração lateral” no caso Centeno-Banco de Portugal

“Eu ouvi as intervenções do PSD, que é o partido liderante da oposição, e verifico que o PSD decidiu abrir caminho à nomeação do professor Mário Centeno para o Banco de Portugal, na medida em que adotou uma posição sobre a lei que vai ser votada no parlamento que abre esse caminho. Esse é o facto politicamente importante. Depois, há o facto lateral, digamos assim, uma espécie de distração lateral”, disse Marcelo Rebelo de Sousa.

Oficial: Governo formaliza designação de Mário Centeno para governador do Banco de Portugal

“É intenção do Governo, na sequência de proposta do senhor ministro de Estado e das Finanças [João Leão], designar o professor doutor Mário Centeno para o cargo de governador do Banco de Portugal”, lê-se na missiva enviada por António Costa a Ferro Rodrigues.
Recomendadas

André Ventura vai pedir em setembro suspensão temporária do mandato de deputado

Segundo disse o próprio André Ventura à agência Lusa, Diogo Pacheco de Amorim vai ocupar as funções de parlamentar, já que foi o segundo da lista eleitoral do circulo de Lisboa nas eleições legislativas de 2019.

PCP defende que CP deve ser “operador único” a nível ferroviário para se evitarem acidentes como o de Soure

Os comunistas pedem ao Governo que reforce o investimento na ferrovia e proceda à “reunificação” da CP para que a empresa pública passe a integrar todas as infraestruturas ferroviárias a nível nacional.

Marcelo promulga diploma que marca eleições indiretas nas CCDR para outubro

A alteração à data das eleições dos presidentes das Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR), inicialmente marcadas para setembro, foi aprovada pelo Chefe de Estado, mantendo-se o alerta de que esse processo não é regionalização.
Comentários